Tamanho do texto

Três pessoas já foram presas por suspeita de envolvimento no crime; segundo a Polícia Civil, ao menos dez pessoas participaram do assalto

Agência Brasil

Imagens do roubo de ouro no Aeroporto de Guarulhos arrow-options
Reprodução/TVGlobo
Quadrilha roubou 720 kg de ouro no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, e não disparou um tiro

A Polícia Civil já ouviu 13 testemunhas na investigação sobre o roubo de ouro no Aeroporto Internacional de Guarulhos na última quinta-feira (25). Segundo o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), prestaram esclarecimentos nesta terça-feira (30) funcionários de duas empresas aéreas.

Leia também: Moro envia agentes federais ao Pará após rebelião com 57 mortos em Altamira

Três pessoas já foram presas por suspeita de envolvimento no roubo de ouro . Um deles é Petterson Patrício, o funcionário do aeroporto que disse, inicialmente, ter sido feito refém e obrigado a ajudar os criminosos. Petterson e outro homem foram presos no fim de semana.

Supervisor de logística, Petterson chegou junto com a quadrilha e facilitou a entrada do grupo no local onde estava sendo transportado o ouro no Aeroporto de Guarulhos . Ele disse que sua mulher também foi sequestrada pelo bando.

No entanto, após ter sido confrontado com diversas inconsistências na versão de que era refém dos criminosos, Petterson confessou a participação no assalto, informou a Polícia Civil. Com base nisso, a juíza Ana Carolina Miranda de Oliveira, da comarca de Guarulhos, decretou a prisão temporária de Petterson.

Leia também: Tentativa de roubo a carro de presidente do TJ deixa um morto no Acre

Na madrugada de segunda-feira (29), a polícia prendeu outro suspeito em flagrante com um carregador de fuzil e munição. De acordo com a investigação, o suspeito ofereceu apoio logístico para passar a carga roubada dos carros usados no assalto para outros veículos.

O roubo

Ao menos 10 pessoas, segundo a polícia, participaram do roubo de ouro . O grupo chegou ao aeroporto por volta das 14h30 de quinta-feira em dois carros disfarçados de viaturas da Polícia Federal. Fortemente armados, renderam os funcionários que faziam a manipulação da carga e os obrigaram a transferir os quase 720 kg de ouro para uma das caminhonetes.

Leia também: Relembre os maiores massacres em presídios brasileiros

O metal, dividido em 31 malotes, tinha como destino Nova York, nos Estados Unidos, e Toronto, no Canadá.