Tamanho do texto

As imagens mostram o momento em que o morador de rua esfaqueou João Napoli, que dirigia o carro com a janela aberta; professor também morreu

João Napoli arrow-options
Reprodução
João Napoli foi morto após ataque de morador de rua

Um vídeo mostra o ataque de um morador de rua, identificado como Plácido Correa de Moura, 44 anos, a motoristas no Humaitá, na zona sul do Rio de Janeiro , que deixou dois mortos e cinco feridos. João Carvalho Napoli, de 35 anos, e Marcelo Henrique Correa, de 39 anos, foram socorridos e levados ao Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, mas não resistiram aos ferimentos. O caso ocorreu na Rua Professor Abelardo Lobo, no Humaitá, na Zona Sul do Rio.

Leia também: Preso pela PF diz ter sido hackeado por Delgatti Neto e nega golpes ou fraudes

As imagens mostram o momento em que o morador de rua esfaqueou João Napoli , que dirigia o carro com a janela aberta. Ele foi atingido na barriga, saiu do carro e acabou sendo esfaqueado novamente. A namorada de João, a bióloga Caroline Azevedo Moutinho, de 29 anos, estava no banco do passageiro e também foi esfaqueada de raspão na mão e na barriga.

Segundo amigos de Caroline, os dois estavam noivos e se casariam no próximo dia 16. João era engenheiro elétrico na Rede Globo e estava seguindo para a casa da avó quando foi atacado. No fim da tarde, Caroline foi transferida para o Hospital Copa D'Or, em Copacabana. O estado de saúde da jovem é estável.

Segundo a Polícia Civil, Marcelo Correa estava passando pelo local, viu o ataque e decidiu ajudar João e Caroline. O homem acabou sendo atacado por Plácido e também morreu no local. Logo depois, policiais militares chegaram à cena do crime e um PM, identificado apenas como Mauro, foi atingido de forma superficial pelo morador de rua enquanto tentava pará-lo. Policiais chegaram a usar uma arma de choque contra o agressor, mas não tiveram sucesso. Ainda de acordo com a Polícia Civil, Plácido só parou os ataques quando foi baleado na perna e de raspão na cabeça. Ele também foi encaminhado ao Miguel Couto e segue custodiado na unidade de saúde.

Além dessas vítimas, a enfermeira do Corpo de Bombeiros Girlane Sena foi atingida por um disparo na perna. Segundo a corporação, a bala está alojada na perna de Girlene, mas seu estado de saúde é estável. O capitão Fábio Sena, também do Corpo de Bombeiros, foi atingido por estilhaços. Ele foi levado para o Hospital Municipal Miguel Couto e, posteriormente, para o Hospital Central Aristarcho Pessoa, mas seu estado de saúde também é estável.

Leia também: Dois suspeitos de participar de roubo de ouro em Guarulhos são presos

Segundo a irmã de Marcelo, que trabalha como personal trainer, ele era o filho mais velho de três irmãos, sendo o jovem e mais duas irmãs. "Ele foi ajudar. Ele não tinha nada a ver com essa historia. Agora a gente não vai ver ele nunca mais. Ele era carinhoso, amigo, o que precisava a gente podia contar contar com ele", disse a bancária Hérica Reis, irmã mais nova da vítima. Hérica contou que Marcelo estava em Botafogo e se dirigia para a casa da mãe, na Vila da Penha, Zona Norte da cidade, para almoçar com a família.

Antes de tentar ajudar o casal, Marcelo chegou a fazer uma videochamada e enviar à esposa. Muito abalada, a mulher, identificada apenas como Ana, não quis falar com a imprensa. Ainda não há informações sobre a data e local de sepultamento das vítimas do ataque no Rio de Janeiro .