Tamanho do texto

Barragem do Quati se rompeu na quinta-feira (11), inundando parte de Coronel João Sá, a nordeste do estado, perto da fronteira com Sergipe

Agência Brasil

água escoa de barragem que se rompeu arrow-options
Reprodução/Twitter
Barragem se rompeu na última quinta-feira (11)

A chuva no nordeste baiano, próximo à divisa com Sergipe, deve cair até domingo (14), dificultando o escoamento das águas que inundam  desde quinta-feira (11) o município de Coronel João Sá, onde 500 pessoas estão desalojadas após o transbordamento e o rompimento da barragem Quati, no rio do Peixe.

A informação sobre previsão do tempo é do secretário de Comunicação de Coronel João Sá , Valdomiro da Conceição Jr. Segundo o secretário, “o problema é o transtorno que causa. A chuva não para. Fica difícil o trabalho dos bombeiros e da Defesa Civil”. 

De acordo com o governo da Bahia, a barragem foi construída pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional e entregue em novembro de 2000 à Associação de Moradores da Comunidade de Quati .

A barragem forma açude de multiuso, inclusive abastecimento e irrigação na época da seca. Segundo o secretário Valodomiro Jr, a barragem tinha cerca de 200 metros de largura e 20 metros de profundidade.

Leia também: Após rompimento de barragem, cidade baiana vai entrar em estado de emergência

Por falta de informações dos órgãos estaduais, a obra não consta da última edição do Relatório de Segurança de Barragens da Agência Nacional de Águas. Segundo o documento, “não há nenhum ato de autorização, outorga ou licenciamento em 42% das barragens [de todo o país], e em 76% dos casos não está definido se a barragem é ou não submetida à PNSB [Política Nacional de Segurança de Barragens] por falta de informação”.

O município iniciou campanha pedindo doações por meio de depósito.