Tamanho do texto

Especialistas dizem que crescimento, no entanto, não tem relação direta com os decretos publicados por Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro com submetralhadora
Reprodução/Instagram
Atiradores e colecionadores de armas cresceram 32% nos cinco primeiros meses do governo Jair Bolsonaro

Alvo de facilidades criadas por decretos do presidente Jair Bolsonaro (PSL), a categoria de caçadores, atiradores e colecionadores de armas, os chamados CAC, cresceu nos primeiros cinco meses de governo.

Leia também: Moro pede afastamento do cargo de ministro por "motivos pessoais"

A média mensal, de janeiro a maio, passou de 3.442 novos CAC em 2018 para 4.546 este ano - um salto de 32%. No acumulado dos cinco primeiros meses de 2019, 22.734 pessoas se tornaram atiradores ou colecionadores de armas no País. No mesmo período do ano anterior, foram 17.212.

Na esteira do crescimento da categoria, houve também maior número de armas registradas para CAC : de 20.641 para 25.010. A média mensal subiu de 4.128 novas armas, de janeiro a maio de 2018, para 5.002 neste ano.

Os dados foram levantados pelo Exército a pedido do jornal O Globo . Especialistas destacam que o crescimento não tem relação direta com os decretos de Bolsonaro, em meio a revogações e reedições, mas ressaltam que as novas normas vão fazer os números subirem ainda mais.

Leia também: Entre os mais ricos, aprovação de Bolsonaro salta 11 pontos e chega a 52%

Daniel Cerqueira, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) na área de segurança e armas de fogo, ressalta que os CAC começaram a crescer mais fortemente nos últimos anos.