Tamanho do texto

Oitiva foi realizada no Fórum de Abadiânia, em Goiás, e durou cerca de duas horas; João de Deus está preso desde 16 de dezembro do ano passado

João de Deus
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
João de Deus ficou internado em um hospital particular pois seus advogados afirmavam que ele não tinha condições de voltar à cadeia

O médium João Teixeira de Farias, conhecido como João de Deus, prestou depoimento nesta terça-feira (2) pela primeira vez à Justiça sobre denúncias de abuso sexual. A oitiva foi realizada no Fórum de Abadiânia (GO) e durou cerca de duas horas. João de Deus foi preso preventivamente em 16 de dezembro do ano passado. 

Leia também: Arma usada para matar Marielle Franco pode ter sido jogada no mar

Segundo o advogado Alberto Toron, representante do médium, ele negou as acusações e disse que nunca praticou abusos contra mulheres que frequentaram a Casa Dom Inácio Loyola , onde João de Deus atendia pacientes em busca de cura espiritual. O depoimento foi tomado no primeiro processo aberto contra o médium. 

Em março, a pedido da defesa, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou o médium a deixar o Núcleo de Custódia de Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital, para se internar em um hospital particular de Goiânia. Com base em relatórios médicos, os advogados alegaram que ele não tinha condições de regressar à cadeia. Em seguida, com o fim do tratamento, o tribunal determinou que o médium voltasse à prisão

Leia também: Idosa é morta com chave de fenda enterrada na cabeça no Rio; suspeito está preso

Denúncias

Até o momento, o Ministério Público de Goiás (MP-GO) apresentou nove denúncias contra João de Deus , nas quais ele é acusado de crimes como estupro de vulnerável e violação sexual. Segundo o MP, os crimes ocorreram pelo menos desde 1990, sendo interrompidos em 2018, quando as primeiras denúncias foram divulgadas pela imprensa.