prédio que desabou em São Paulo
Corpo de Bombeiros de São Paulo
Juiz entende que lideranças de movimentos sem-teto podem atrapalhar investigação sobre pre´dio que desabou em São Paulo


O juiz Marco Antônio Martins Vargas, da 26ª Vara Criminal de São Paulo, determinou a busca, apreensão e prisão temporária de nove lideranças de movimentos sem-teto na cidade de São Paulo. O pedido integra a investigação sobre o edifício Wilton Paes de Almeida, que desabou no Largo do Paissandu, em maio de 2018.

Leia também: Ato lembra um ano de desabamento de prédio no Largo do Paissandu

Segundo nota do Movimento Sem-Teto do Centro (MSTC), entre as presas nesta segunda-feira está Preta Ferreira, filha de Carmen Silva, principal liderança do movimento.

De acordo com o delegado André Vinicius Figueiredo, responsável pelo cumprimento das prisões , as detenções se deram para evitar interferência na investigação.

Em fevereiro deste ano, a polícia culpou três coordenadores da ocupação do edifício no centro de São Paulo pelo incêndio que ocasionou o desabamento.

Leia também: Bombeiros de SP ganham prêmio internacional por atuação no Largo do Paissandu

Segundo a investigação, havia cobrança dos moradores para garantia de segurança no local. Todos os movimentos negam as acusações.

Leia também: Fogo em museu e quedas de viadutos trouxeram à tona ineficácia do poder público

O incêndio no edifício Wilton Paes de Almeida se deu por um curto-circuito no quinto andar. De acordo com os responsáveis pela investigação, era obrigação dos coordenadores da ocupação do movimento sem-teto zelar pela segurança dos moradores e, portanto, fazer a manutenção no sistema elétrico.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários