Tamanho do texto

Presidente fez a declaração em um evento na cidade de Santa Maria, RS

bolsonaro
Marcos Corrêa/PR
Em evento na cidade de Santa Maria (RS), Bolsonaro defende armamento da população para evitar abuso de governantes

 O presidente Jair Bolsonaro  defendeu, na noite deste sábado (15), que a população se arme para evitar que governantes assumam o poder "de forma absoluta". Ao discursar numa cerimônia militar em Santa Maria (RS), Bolsonaro também declarou que "mais do que o parlamento", precisa ter o povo a seu lado para governar o Brasil.  

Leia também: Bolsonaro ameaça demitir Joaquim Levy do BNDES: "Não está sendo leal"

"Defendo o armamento individual para nosso povo para que tentações não passem na cabeça de governantes para assumir o poder de prova absoluta", disse o Bolsonaro , durante cerimônia em memória ao marechal Emilio Mallet, patrono da Artilharia. "Temos exemplo na América Latina. Não queremos repeti-lo", completou.

Em meio às negociações no Congresso para a aprovação da reforma da Previdência, o presidente disse que precisa mais do povo do que dos parlamentares.  "Precisamos, mais que do parlamento, do povo ao nosso lado para que possamos impor uma política que reflita em paz e alegria para todos nós", declarou.

Leia também: Bolsonaro volta a defender Moro, mas afirma que confiança 100% só em pai e mãe

Bolsonaro foi recepcionado por apoiadores que organizaram uma carreata no acesso ao aeroporto de Santa Maria . Por mais de uma vez, ele saiu do carro para cumprimentar os simpatizantes. Um deles deu ao presidente um pixuleco, boneco inflável do ex-presidente Lula com uma roupa de presidiário. 

A exemplo do que já havia feito na campanha eleitoral, quando chutou longe um boneco do mesmo tipo, Bolsonaro deu tapas no pixuleco e o arremessou longe. 

Leia também: MEC é acusado de racismo por embranquecer estudante negra em campanha

Durante o discurso, Bolsonaro lembrou que visitou Santa Maria em 1993 "apoiando um colega", mas não mencionou o fato que, após essa viagem, a Câmara dos Vereadores da cidade outorgou a ele o título de "persona non grata" por ter defendido o fechamento do Congresso e a volta da ditadura militar.