Tamanho do texto

Em nota, empresa informa que pretende cumprir com a decisão judicial para que o serviço funcione com pelo menos 80% da capacidade nos horários de pico e conta com a presença dos trabalhadores

metrô
Edson Lopes JR/A2 Fotografia - 11.11.13
Metrô informa que vai punir trabalhadores que não trabalharem nesta sexta-feira (14)


O Metrô de São Paulo garante que o serviço à população nesta sexta-feira (14) se dará por completo. Através de nota, a empresa informou que cumprirá a determinação judicial da última quarta-feira (12), que obriga que o serviço funcione com pelo menos 80% da capacidade nos horários de pico.

Leia também: Centrais mantêm greve mesmo após decisão da Justiça; veja o que deve parar em SP

O Metrô também avisa que os metroviários que aderirem à greve geral marcada para esta sexta-feira e não comparecerem ao trabalho normalmente serão punidos. 

"O plano de contingência será colocado em prática conforme os metroviários se apresentarem para trabalhar. Durante a madrugada, serão definidos os trechos e estações das linhas que vão operar. Lembramos que a justiça determinou que o serviço funcione com pelo menos 80% da capacidade nos horários de pico. Os trabalhadores serão penalizados caso a decisão não seja respeitada. O movimento político, contra a reforma da previdência, prejudica milhões de pessoas em São Paulo ", diz nota da empresa.

Leia também: Prefeitura volta atrás e mantém o rodízio de carros em São Paulo nesta sexta 

Confiante de que o transporte público funcione, a Prefeitura de São Paulo não suspendeu o rodízio de veículos, bem como as áreas de zona azul nesta sexta-feira (13).

Reunidas nesta quinta, as Centrais Sindicais confirmaram a greve geral e anunciaram que, entre os adeptos estão os metroviários.

"Os metroviários confirmaram adesão à Greve Geral marcada para 14/6 (sexta-feira), em assembleia realizada na noite de 13/6. A greve é de 24 horas e faz parte da luta contra a reforma da Previdência de Bolsonaro", diz nota.

O governo de São Paulo pediu para que os funcionários da CPTM trabalhem normalmente e ajudem no plano de contingência do metrô .