Tamanho do texto

Rodízio municipal e Zona Azul serão mantidos nesta sexta-feira (14); já as linhas do Metrô devem operar parcialmente ao longo do dia

transportes
Reprodução/Metrô SP
Estações do Metrô e da CPTM devem operar parcialmente; reunião dos sindicatos hoje ainda definirá o funcionamento dos transportes

A greve geral que acontecerá nesta sexta-feira (14) em todo o Brasil contra a Reforma da Previdência proposta pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) pretende afetar diversos serviços da capital paulista, como transportes, bancos e escolas.

Leia também: Prefeitura volta atrás e mantém o rodízio de carros em São Paulo nesta sexta

A ação pretende barrar o projeto que está em análise no Congresso, além de cobrar mais empregos e protestar contra o corte de verbas em instituições públicas de ensino do País . Confira abaixo o que deve ou não funcionar durante a greve geral  em São Paulo:

Transporte

As linhas do Metrô devem operar parcialmente durante o dia. Apesar de a Justiça ter determinado , no último dia 12, que os trabalhadores mantenham a operação em São Paulo, segundo os sindicatos, algumas linhas não devem operar normalmente.

 Já os trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) vão funcionar normalmente.

A previsão é de que as linhas 7-Rubi, 10-Turquesa, 11-Coral e 12-Safira da CPTM e as linhas 1-Azul (deve operar da Luz à Ana Rosa), 2-Verde (operação deve ser do Alto do Ipiranga até Clínicas), 3-Vermelha (deve operar da Bresser-Mooca até Marechal Deodoro) e 15-Prata do Metrô estejam com operação reduzida.  

As linhas 8-Diamante, 9-Esmeralda e 13-Jade, da CPTM , foram liberadas para decidirem se param ou não. Já as linhas 4-Amarela e 5-Lilás, do Metrô, funcionarão normalmente, já que são operadas pela iniciativa privada.

Segundo o sindicato dos motoristas e trabalhadores de ônibus, os cerca de 14 mil ônibus municipais também devem sofrer paralisação nesta sexta. A Secretaria dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo informou que está trabalhando para que haja transportes para todos e, provavelmente, a Operação Paese deverá ser acionada. 

Os sindicatos ainda devem se reunir no final desta quinta-feira (13), para determinar como será o funcionamento dos transportes na sexta e confirmar adesão, ou não, à greve. A multa para os que não cumprirem a determinação da Justiça e aderirem à greve será de R$ 100 mil por dia.

Rodízio e Zona Azul

A Prefeitura de São Paulo, em conjunto com a Secretaria Municipal de Mobilidade (SMT), determinaram que o rodízio municipal será mantido e continuará vigorando, nesta sexta. Da mesma forma está mantida a Zona Azul e a Zona Máxima de Restrição aos Fretados.

Bancos

A Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), o sindicato nacional dos bancários , convocou toda a categoria para a greve e, com isso, as agências de bancos públicos e privados em todo o país também serão afetadas.

Para aqueles que precisam pagar as contas, a Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor), sugere que meios alternativos sejam utilizados, como caixas eletrônicos, internet banking, bancos digitais, aplicativos, operações bancárias por telefone e estabelecimentos correspondentes (lotéricas, supermercados e correios).

Leia também: Greve Geral! Centrais sindicais prometem parar o país nesta sexta-feira

Escolas

As redes municipal e estadual de ensino da capital serão atingidas pela greve. Até agora, pelo menos 33 escolas privadas já manifestaram que vão parar, segundo o Sindicato dos Professores de São Paulo .

Além da greve , milhões de trabalhadores devem ir às ruas protestar contra a Reforma da Previdência. Enquanto os sindicatos prometem que o País vai parar com o ato, o Palácio do Planalto diz acreditar que o evento será "fraco" e que deve ser "combatido" pelos simpatizantes de Bolsonaro.