Tamanho do texto

Dono de três empresas da Baixada Santista está preso; ele frequentava o círculo social do jogador de futebol e já foi a festas de aniversário dele

Amigo de Neymar
Reprodução/Facebook
Amigo de Neymar foi preso no último dia 28 de maio, quando ele foi surpreendido pela PF batendo à sua porta

O nome do atacante Neymar nem sempre aparece no noticiário relacionado a assuntos tratados restritamente dentro do campo de futebol. Exemplo disso é que, atualmente, o jogador vive um período de intensas investigações devido a uma acusação de estupro. Porém, esse não é o primeiro crime envolvendo o vasto círculo social no qual o atacante está inserido. 

Leia também: Homenagem a Neymar? Polícia batiza ação de 'Saudades do que ainda não vivemos'

Afinal, com amigos para tudo, os chamados “parças”, Neymar tem agora o seu nome relacionado a um homem acusado de tráfico internacional. O empresário Bruno Lamego Alves, que exibia nas redes sociais a sua proximidade com o jogador em viagens por Paris, em jogos da seleção e em duas festas de aniversário do craque, está preso por suspeita de traficar cocaína. 

A prisão do empresário se deu no último dia 28 de maio, quando ele foi surpreendido pela Polícia Federal batendo à sua porta. Alves foi detido por ter intermediado supostamente um carregamento de 760 quilos de cocaína que seria enviado à Bélgica pelo Porto de Santos, em São Paulo. As informações são da revista Veja

Leia também: Deputado do PSL protocola PL que ficou conhecida como "Lei Neymar da Penha"

Segundo a publicação, só em 2019, a PF já apreendeu mais de 10 toneladas de cocaína. Porém, o esquema em que o ' parça de Neymar ' é suspeito demonstra engenhosidade. O empresário procurou, no início de 2017, uma grande produtora de milho do Paraná para exportar fubá para a Europa.

O amigo de Neymar teria se passado por um holandês, sugerindo a introdução do desconhecido fubá no mercado europeu. A carga, no caso cocaína, deveria ser escoada por Santos e não pelos portos paranaenses, que ficavam bem mais perto da produtora. Além disso, não houve contrato de câmbio e a estufagem do contêiner ficaria a encargo da importadora, o que não é comum conforme os padrões internacionais. Alves continua sendo investigado. 

Leia também: Venda de bens do tráfico pode ficar mais rápida com nova lei