Tamanho do texto

Objetivo da operação das polícias civil e militar do Rio era apurar pessoas supostamente envolvidas com facção criminosa na cidade de Paraíba do Sul

Ação Polícia
Divulgação
Ação da polícia civil foi realizada na cidade de Paraíba do Sul, no estado do Rio

A 107ª polícia civil e o 38º Batalhão da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, realizaram na última quinta-feira (6), uma ação em Paraíba do Sul que recebeu o nome de 'Saudade do que ainda não vivemos'.

Leia também: Facção do Rio proíbe presos de postarem fotos e vídeos de dentro das cadeias

Ao invés de realizar prisões, o objetivo da ação era apurar pessoas de fora da cidade possivelmente ligadas a uma facção criminosa que estavam sendo vistas na localidade conhecida como Ladeira Curupati.

De acordo com a polícia civil , foi uma medida de prevenção que teve 30 policiais para impedir crimes como homicídios e tráficos de drogas antes mesmo que os delitos ocorram.

"As diligências tiveram êxito, os jovens foram devidamente identificados e foram conduzidos à unidade policial, onde narraram que já estão indo embora de Paraíba do Sul", contou a polícia, explicando que a operação foi batizada assim por ter cunho preventivo, para impedir episódios que poderiam ser vivenciados na cidade caso essas medidas não fossem adotadas.

A frase da operação também faz referência ao suposto caso de estupro envolvendo o atacante Neymar . Em conversa com a mulher que o acusou, há uma mensagem do atleta em que diz: " Saudades do que não vivemos ainda ".

Leia também: Deputado do PSL protocola PL que ficou conhecida como "Lei Neymar da Penha"