Tamanho do texto

Crime aconteceu em julho do ano passado e, desde então, casal está preso em regime fechado; decisão da Justiça foi confirmada na manhã de hoje

Casal satânico
Divulgação/Arquivo Pessoal
Decisão da Justiça sobre o envio do caso ao júri popular foi confirmada na manhã desta quarta-feira

Apontados como autores do homicídio de uma mulher grávida no ano passado, o casal Sergio Ricardo Re da Mota, de 47 anos, e Simone Melo Koszegi, de 41, serão submetidos a júri popular em São Paulo. A técnica em segurança Atyla Arruda Barbosa, de 20 anos, foi assassinada em julho de 2018 e, desde então, o casal está preso em regime fechado.

Leia também: Mulher é acusada de fazer ritual satânico após matar e desmembrar namorado russo

A decisão da Justiça sobre o envio do caso ao júri popular foi confirmada na manhã desta quarta-feira (5) e enviada à 2ª Vara do Foro de Itanhaém, por onde corre o processo. O crime ganhou repercussão nacional depois que foi descoberto, durante a investigação, que Sergio e Simone faziam parte de uma seita satânica que "adorava Lúcifer" e que a vítima havia sido morta durante um ritual. 

Leia também: Casal de turistas é encontrado morto após sacrifício satânico de Ano Novo

A técnica em segurança, que estava grávida , havia sido dada como morta, inicialmente, por afogamento em uma praia de Mongaguá. Essa hipótese foi levantada em julho. Porém, depois dessa versão, a Polícia Civil descobriu que o casal acusado de assassinar a mulher tentava sacar um seguro de vida de R$ 260 mil em nome da vítima.

No facebook, também foram descobertos perfis indicando o envolvimento do casal em rituais de magia negra e satanismo , oferecendo pactos de adoração a Lúcifer , em troca de "poder" e "status". Além disso, durante as investigações, a polícia começou a acreditar que Atyla poderia estar ligada à seita, que teria oferecido o filho que estava esperando e, depois, desistido, e sido morta por isso.

Leia também: Irmãos sacrificam mãe e se banham com sangue dela em ritual satânico no Peru

Agora, o júri popular vai avaliar se o casal, que está preso desde agosto, após o pedido de prisão preventiva, continuará na cadeia. Do ano passado para cá, a defesa do casal solicitou um pedido de liberdade provisória, que foi negado pela Justiça.