Tamanho do texto

Polícia cumpriu mandado de busca no apartamento de luxo de Bruno, em Santos, no litoral paulista; ele tentava enviar 760 kg da droga ao continente

IstoÉ

polícia cocaína
Divulgação/Receita Federal
Polícia encontrou droga escondida dentro de bolsas em um container cheio de carga de fubá de milho

O empresário Bruno Lamego Alves, de 32 anos, foi preso por envolvimento com o tráfico internacional de drogas após longa investigação da Polícia Federal. Ele teria usado nomes e contas fictícias para despistar e não ser responsabilizado pelo envio de 760 kg de cocaína à Europa.

Leia também: Empresário é preso no litoral de SP ao tentar enviar 760 kg de cocaína à Europa

A polícia cumpriu mandado de busca no apartamento de luxo de Bruno, em Santos (SP). Policiais apreenderam documentos, computadores e celulares do empresário, além de chips telefônicos e lacres para contêineres de exportação. A PF ainda constatou que o empresário tem ligação com investigados da Operação Brabo, deflagrada em setembro de 2017, que apreendeu nove toneladas de cocaína e prendeu 26 pessoas de uma quadrilha.

Leia também: Papagaio é apreendido por avisar traficantes da chegada da PM: "Mamãe, polícia!"

Investigadores notaram que Bruno utilizou nomes fictícios para simular negociações de compra de sacas de fubá de milho. A mercadoria tinha o objetivo de ocultar o carregamento de cocaína no Porto de Santos . E-mails e telefones falsos também foram rastreados e tais investigações apontaram o empresário como responsável pelo esquema. O fuba de milho era trocado pelas drogas nos containeres em um terreno no Guarujá (SP).

Antes de apagar os perfis das redes sociais, Bruno aparecia em fotos e vídeos com artistas, atletas e até mesmo políticos, inclusive o deputado estadual Tenente Coimbra (PSL), eleito em 2018. A defesa de Bruno alega que ele é inocente e jamais traficou cocaína .

Em nota, a assessoria de imprensa do deputado Tenente Coimbra assegurou que o deputado não é amigo do empresário Bruno Lamego Alves. “Conheci-o há poucos meses, através de outras pessoas, mas não tenho amizade. Nunca soube de qualquer atividade ilícita por parte dele. Assim que soube da prisão, cortei qualquer tipo de relação, inclusive nas redes sociais, pois não me relaciono nem com suspeitos nem com bandidos. Aproveito a oportunidade para parabenizar, mais uma vez, a Polícia e a Receita Federal que vem realizando um excelente trabalho no Porto de Santos. Lugar de bandido é na cadeia”, afirmou o deputado.

Leia também: Traficante conhecido como "Mata Rindo" é morto em confronto com policiais