Suplicy estava a caminho da praia quando soube que manifestantes protestariam contra violência policial no Rio
Reprodução/Twitter
Suplicy estava a caminho da praia quando soube que manifestantes protestariam contra violência policial no Rio

Enquanto os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PSL), realizavam um ato em Copacabana , na zona sul do Rio de Janeiro, na manhã deste domingo (26), algo inusitado acontecia a cerca de dois quilômetros dali, em Ipanema. O fato, que envolve o vereador paulista Eduardo Suplicy (PT) ganhou a atenção dos internautas na manhã desta segunda-feira (27).

Acontece que o petista estava a caminho da praia quando soube que um outro grupo de manifestantes protestariam contra a violência policial no Rio de Janeiro. Engajado com a causa, Suplicy foi ao ato do jeito que estava vestido: só de sungas – no caso, vermelhas.

Organizada por moradores das favelas e periferias do Rio de Janeiro , a  manifestação "Parem de nos matar" foi uma tentativa de protestar contra as ações truculentas que a Polícia Militar tem realizado com essa população.

O governador Wilson Witzel (PSC), que recentemente deu declarações defendendo o abate de pessoas portando fuzis, foi o principal alvo de críticas. O ato contou com o apoio de cerca de 80 movimentos sociais.

Você viu?

Os manifestantes exigiram "o fim das políticas públicas de ocupações e intervenções policiais e militares nas áreas residenciais que continuam nos matando e aos nossos familiares e amigos."

Em um evento no Facebook, os organizadores ressaltavam que a data escolhida nada tem a ver com as manifestações pró-Bolsonaro, e sim com o aniversário de um mês do falecimento do gari William Mendonça dos Santos, que foi morto pela polícia com dois tiros na favela do Vidigal, e pela morte do música Evaldo Rosa dos Santos e o catador de papel Luciano Macedo, que foram mortos com 80 tiros de fuzil. A descrição do evento também cita o falecimento do estudante Lucas Brás, de 17 anos, com um tiro nas costas.

"Todos assassinados pelo estado do seu País. Dezenas de tiros saídos das armas daqueles cujo juramento e dever é proteger e servir os cidadãos brasileiros. Polícia e exército existem para garantir a segurança e a integridade física dos cidadãos, nunca para os matar", diz a publicação, que completa: "O ato vem sendo planejado há um mês e não tem qualquer relação com outras manifestações que possam vir a ocorrer na mesma data."

Leia também: Bolsonaro inicia busca por trégua após inflamar manifestações contra o centrão

Além de Suplicy , estavam presentes no ato os familiares de algumas vítimas da violência no Rio, como Marinete Silva, mãe da vereadora assassinada em março de 2018, Marielle Franco (Psol).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários