Manifestantes em São Paulo
João Cesar Diaz
Em São Paulo, manifestantes pedem reforma da Previdência, apoio ao pacote anticrime e tem críticas ao Centrão e STF

O Centrão, bloco de partidos do Congresso, e o Supremo Tribunal Federal (STF) são dois dos principais alvos dos manifestantes que se reúnem na Avenida Paulista, em São Paulo, neste domingo (26), em ato de apoio ao presidente Bolsonaro .

Leia também: Siga ao vivo as manifestações pelo Brasil em apoio ao governo Bolsonaro

Pouco antes das 14h, horário marcado para o início, a manifestação reunia menos gente dos que os protestos realizados no mesmo local em 2015 e 2016 a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Nove carros de som de diferentes movimentos foram estacionados ao longo de nove quarteirões da avenida. Vestidos de camisa amarela e enrolados em bandeiras do Brasil, os manifestantes se misturam às pessoas que usam a avenida como área de lazer aos domingos.

Leia também: Manifestantes fazem oração no local em que Bolsonaro foi esfaqueado em Minas

Por volta das 13h30, o caminhão que reunia mais público era o do movimento Brasil Conservador. No carro de som, havia uma foto de Bolsonaro e uma de Olavo de Carvalho, o guru do governo. “O Centrão só quer dinheiro, mas o Brasil é do povo brasileiro”,  puxava o grito um dos líderes em cima do carro de som.

Os manifestantes também pediam a reforma da Previdência e a CPI da Lava-Toga. A presença do líder do PSL no Senado, Major Olímpio, que estava no meio do público, foi anunciada.

Em outro caminhão, de responsabilidade de diversos movimentos, como o Direita São Paulo e o Avança Brasil, as faixas defendiam a MP 870 (medida provisória da reforma administrativa do governo), a aprovação do pacote anticrime do ministro da Justiça Sergio Moro e o repúdio ao Centrão.

Leia também: "Povo está indo às ruas defender o futuro dessa nação", diz Bolsonaro; assista

Em uma outra faixa com a foto de Bolsonaro, os manifestantes pedem que "respeitem os 57 milhões de votos".

    Veja Também

      Mostrar mais