Tamanho do texto

Segundo delegado, polícia vai investigar as causas do acidente; engenheiros apresentaram plantas e alvarás que comprovam legalidade da construção

desabamento
Mauricio Pingo/Parceiro/Agência O Dia
Construção fica na altura do número 2.750, próximo ao Condomínio Figueira da Foz, no Rio de Janeiro

Um funcionário de uma obra, identificado como Jurandir Alcides Lima, 59 anos, morreu na tarde desta quinta-feira após o desabamento de um prédio na Estrada do Galeão, na Ilha do Governador. O Corpo de Bombeiros tentou resgatá-lo dos escombros por mais de uma hora, mas Juradir não resistiu aos ferimentos. No momento do acidente, a vítima e mais um rapaz trabalhavam no local.

O outro ferido, identificado como Lucas Arlindo Silva, de 24 anos, foi levado para o Hospital Municipal Evandro Freire com escoriações e lúcido. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro , seu estado de saúde é estável.

Leia também: Polícia prende envolvido no desabamento de prédio na Muzema

A construção fica na altura do número 2.750, próximo ao Condomínio Figueira da Foz. O Corpo de Bombeiros informou que o quartel da região foi acionado por volta de 15h30 para o resgate. Ainda não há informações sobre as causas do incidente. O engenheiro responsável pela obra está prestando depoimento na 37ª DP (Ilha do Governador).

Segundo o delegado William de Medeiros Pena Junior, titular da 37ª DP, a polícia fez uma perícia na área "Fizemos uma perícia preliminar para entender o que causou o desabamento. Eles estavam trabalhando na contenção de uma encosta quando o andaime desabou e eles foram soterrados”, explicou.

Leia também: Bombeiros resgatam último corpo desaparecido e mortos na Muzema vão a 23

Pena Junior disse ainda que a polícia deve fazer uma perícia complementar. Os engenheiros responsáveis pela obra apresentaram plantas e alvarás que, de acordo com o delegado, estão legais. “Há autorização por parte da prefeitura para que a obra seja feita. Agora, vamos verificar outros documentos", afirmou.

"Queremos entender se houve alguma negligência ou imperícia durante a obra. Um engenheiro presta depoimento neste momento na 37ª DP e já intimamos outros engenheiros. Por hora, a obra está interditada. O objetivo da investigação é saber se alguma etapa da obra foi pulada e se isso comprometeu a estrutura causando a queda", disse.

"Estamos esperando a remoção do cadáver pelos bombeiros. O corpo vai passar por uma perícia no IML e o laudo ficará pronto em até 10 dias. Temos 30 dias para finalizar essa investigação", complementou o delegado do Rio de Janeiro . Ainda não há informações sobra a data e local de enterro de Jurandir.