Tamanho do texto

Decisão é baseada no fato de que Larissa já havia adotado a identidade feminina, providenciando inclusive retificação de seu registro de nascimento

IstoÉ

Larissa
Reprodução/Arquivo pessoal
Larissa teve ferimentos na cabeça e não resistiu

O juiz Luiz Felipe Vizotto Gomes, do 1º Tribunal do Júri de SP, aceitou a denúncia pelo Ministério Público contra Jonatas Araújo dos Santos, de 25 anos, acusado de matar a mulher trans Larissa Rodrigues da Silva, de 21 anos, a pauladas em São Paulo, no dia 4 de maio. As informações são do blog do jornalista Paulo Sampaio, no UOL .

Leia também: Idoso é baleado por segurança de banco na zona leste de SP; estado é grave

O crime foi qualificado pelo Ministério Público como feminícidio . De acordo com um promotor entrevistado pelo Universa , a decisão é baseada no fato de Larissa ter adotado identidade de gênero feminina, inclusive providenciando retificação em seu registro de nascimento.

O crime aconteceu por volta das 22h do dia 4 de maio, na zona sul da cidade de São Paulo, onde Larissa costumava fazer programa. De acordo com a polícia, ela estava na calçada com uma colega, quando Jonatas parou o carro, discutiu com ambas. Minutos depois, ele voltou com um pedaço de pau e golpeou Larissa diversas vezes.

O acusado pelo crime foi preso provisoriamente, mas foi encaminhado à prisão preventiva , sem tempo determinado, no início da semana.