Tamanho do texto

Profissionais à paisana e uniformizados fazem rondas e foram treinados para intervir em casos de assédio; aplicativo Metrô Conecta recebe denúncias

Estação da Sé vista de cima
Reprodução/Metrô SP
Monitoramento contra assédio acontece tanto nos trens quanto nas estações

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e o Metrô de São Paulo estão intensificando o combate ao assédio sexual no ambiente das estações e nos vagões das composições. Agentes de segurança à paisana e uniformizados passaram a fazer rondas regulares e estão treinados para agir imediatamente quando houver ocorrência.

Leia também: Segurança do Metrô leva soco no rosto ao abordar suspeito de assédio, em SP

Segundo a Secretaria de Transportes Metropolitanos, também está sendo feito o monitoramento por meio de câmeras. Campanhas nas redes sociais e mensagens sonoras nos trens e estações buscam incentivar os passageiros a denunciarem os casos de assédio .

Na CPTM , foram notificados 133 casos de abuso sexual no ano passado. Em 2019, até março, houve 34. No Metrô , em 2018, foram 137 registros. No período de janeiro a março deste ano, o total chegou a 28 ocorrências.

Leia também: Mulher leva socos e cotovelada de seguranças do Metrô de São Paulo; assista

De acordo com a secretaria, a passageira importunada deve informar o fato imediatamente a um funcionário, apontando o autor. Na CPTM, o SMS-Denúncia atende pelo número (11) 97150-4949. No Metrô, além do SMS-Denúncia (11) 97333-2252, a passageira pode enviar informações, fotos e vídeos de ocorrências de assédio pelo aplicativo Metrô Conecta.