Tamanho do texto

Buscas chegam ao sexto dia nesta quarta-feira (17); até agora, 16 pessoas morreram e oito continuam desaparecidas, segundo o Corpo de Bombeiros

Imagem aérea dos escombros dos prédios que desabaram
Centro de operação da Prefeitura do RJ
Prédios que desabaram no Rio de Janeiro eram irregulares e estavam interditados

As buscas por vítimas do desabamento dos prédios em Muzema, no Rio de Janeiro, podem chegar ao fim nesta quarta-feira (17), sexto dia dos trabalhos de resgate, segundo o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Roberto Robadey. Até o momento,  16 pessoas morreram e oito continuam desaparecidas.

O coronel explicou que os trabalhos nos escombros do desabamento estão avançados e, por isso, as pessoas que ainda estão desaparecidas devem ser encontradas ainda nesta quarta.  "O serviço está bastante avançado e achamos que, em mais mais umas 24 horas, terminar essa operação, pelo menos a parte principal, que é resgatar as pessoas", disse.

Ele disse ainda que a  possibilidade de encontrar sobreviventes não está descartada. "Há um histórico de eventos[resgates] de sete dias ou até mais em que foram encontradas pessoas com vida e a gente trabalha com essa perspectiva", afirmou.

O trabalho de resgate em Muzema é feito manualmente. Os bombeiros usam britadeiras e cortadores para abrir buracos nas lajes, facilitando o deslocamento em meio aos escombros. Segundo os bombeiros, máquinas pesadas podem ser utilizadas, mas eles precisam ter o cuidado de preservar a vítima, ainda que ela já tenha morrido.

Leia também: Sobrevivente volta à Muzema e relata o resgate: "Escavei com as mãos"

Na última terça-feira (16), cinco vítimas foram encontradas. No total, 112 homens se revezam nos trabalhos de resgate no local do desabamento .