Tamanho do texto

Reformas e desmatamento realizados pelo Reserva Itanhangá teria desviado curso de nascente de rio, causando um desequilíbrio ambiental na cidade

Reformas em condomínio de luxo do Rio de Janeiro
Daniel Castelo Branco/Agência O Dia
Obras em condomínio de luxo alteraram nascente de rio e moradores relacionam fato ao drama das enchentes


A casa do confeiteiro Matheus Santana foi uma das mais atingidas pela lama trazida pelas enchentes à rua Rangel Guimarães, no Itanhangá, Zona Oeste do Rio, na noite de segunda-feira (8). A enxurrada soterrou o interior da residência até quase o teto. A avó dele, de 74 anos, teve de pular a janela para escapar, até ser resgatada por vizinhos, quando era levada pela correnteza. O rapaz, de 21 anos, acusa o condomínio de luxo Reserva Itanhangá de ser o causador da tragédia, pois a lama desceu de de tal terreno, com quem os fundos da casa dele faz divisa.

Leia também: Dois prédios desabam em comunidade no Rio; ao menos duas pessoas morreram

"Essa história é antiga. Há 15 anos, o condomínio desviou o curso de uma nascente e fez a água passar pelo meu quintal. Minha família teve de fazer uma obra para desviar essa água para outro local. Agora, para piorar, o condomínio desmatou o terreno e deixou as raízes cortadas no mesmo local. Isso forçou ainda mais o muro da minha casa, o qual acabou caindo e trazendo essa lama com as enchentes ", disse o confeiteiro.

Matheus tinha uma fábrica de doces no quintal, mas viu o sonho do próprio negócio virar lama. "Investi 15 mil reais nisso no ano passado. Perdi tudo. Dormi no trabalho, um hotel. Quando cheguei, a minha avó disse: "não tem jeito, não temos mais casa". Eu estava construindo meu espaço para sair do hotel. Agora não tem como mais. Por enquanto, estamos abrigados em familiares, na Barra da Tijuca", afirmou o rapaz.

Leia também: Rio está em situação de crise há mais de 30 horas por causa de chuvas

Os pais dele moram em outra casa, no mesmo terreno. A lama derrubou a parede que dividia as duas residências.

Questionada sobre as intervenções denunciadas pelo morador, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Secomserma) informou que irá enviar uma equipe ao local para vistoriar e tomar as providências cabíveis. O condomínio Reserva do Itanhangá não respondeu aos questionamentos até o fechamento do texto.

O vendedor Wasley Moreira Lima, 20 anos, foi outro a ter grande prejuízo com a inundação da rua. "Tive que ficar segurando portão para não entrar às rochas gigantes que vinham. Familiares e amigos fazem vaquinha para alugar um apartamento. Só salvamos geladeira, dois armários e um colchão. O resto perdemos", disse o rapaz, que mora na casa com a esposa e o sogro.

Leia também: Chuva provoca enchentes e arrasta carro para dentro de córrego em São Paulo

Para piorar o drama dos moradores da Rangel Guimarães, a Prefeitura do Rio não havia realizado a limpeza da via até esta quinta-feira. Eles, então, pagaram R$ 700 para que um prestador de serviços particular tirasse, com uma retroescavadeira, nesta quinta-feira, a areia trazida pela água.

"A Comlurb veio ontem (quarta-feira), tirou duas pás de areia, e disse que não tinha maquinário adequado. Aí, fizemos um rateio para contratar a limpeza. Senão ninguém sai de casa com carro", disse o técnico em áudio e vídeo Flávio Francisco Bezerra, 39 anos.

Em nota, a Comlurb disse que está atuando em toda a região para contornar os problemas causados pelas enchentes . "A Comlurb está atuando em toda a região do Itanhangá, incluindo Muzema e Rio das Pedras, desde a noite de segunda-feira, com um efetivo de 30 garis, oito caminhões basculantes e três pás carregadeiras, além de quatro caminhões basculantes e um coletor de carga lateral, dois coletores de carga traseira, na raspagem e remoção de lama e terra. Na Largo da Barra são mais 20 garis", diz a nota.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.