Tamanho do texto

Grupo armado chegou em dois carros e assaltou um carro-forte que abasteceria uma agência bancária localizada em um dos prédios da UEPB

Ao menos um segurança e uma estudante ficaram feridos durante um tiroteio na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) na manhã desta segunda-feira (1ª), em Campina Grande. Por conta da correria, outros alunos também se feriram.

Fachada da Central de Integração Acadêmica na Universidade Estadual da Paraíba onde aconteceu um tiroteio
Reprodução/TV Paraíba
Tiroteio na Universidade Estadual da Paraíba deixou ao menos duas pessoas feridas

De acordo com as informações iniciais transmitidas pela assessoria da universidade, o tiroteio se deu após um grupo armado chegar em dois carros e assaltar um carro-forte que transportava malotes de dinheiro para uma agência bancária do Santander que fica na Central de Integração Acadêmica (Ciac), dentro do câmpus de Bodocongó.

Leia também: Com projeto parado na Câmara, pacote anticrime de Moro é 'adotado' por senadores

O vigilante da agência foi atingido na perna por um disparo, enquanto a aluna ficou ferida nas costas após uma bala ricochetear em uma placa. Quando os estudantes e funcionários ouviram barulhos de tiros e explosão, alguns saíram correndo do local e outros conseguiram entrar em salas de aula e auditórios para se esconder. No desespero, alguns alunos pularam do primeiro andar do prédio e se feriram.

Os alunos machucados receberam atendimentos de primeiros socorros e psicológico com servidores da universidade e foram levados, posteriormente, ao Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande .

Leia também: Morador de rua morre queimado em estação de trem da CPTM no ABC Paulista

A polícia chegou após o assalto e esvaziou o prédio. As aulas no prédio onde aconteceu o tiroteio foram suspensas por toda esta segunda, bem como as atividades administrativas. As atividades do Centro de Ciências Jurídicas (CCJ), que funciona fora do Câmpus de Bodocongó, estão mantidas.

Em nota oficial, a UEPB informou que a decisão de suspender as atividades se deu em "consideração o estado emocional da comunidade universitária, bem como a necessidade de conclusão do trabalho pericial".

A universidade acrescentou que equipes de psicologia, de enfermagem e de outros setores da instituição prestaram assistência às "pessoas que se encontravam bastante assustadas" e também agilizaram o contato delas com familiares para informar que estavam em segurança.

Os bandidos conseguiram fugir com malotes de dinheiro e ainda não foram identificados. Até o momento, não foi divulgado o valor levado pelos criminosos.