undefined
Divulgação
Latrocínio de segurança ocorreu dentro do Shopping Metro Itaquera, onde o pai da sobrevivente de Suzano trabalhava

Pai de uma aluna que sobreviveu ao massacre de Suzano, na Grande de São Paulo, o segurança Maurício Martins dos Santos, de 38 anos, que trabalhava no Shopping Metrô Itaquera, na zona leste da capital paulista, foi assassinado na última sexta-feira (15). O segurança foi vítima de um latrocínio – que é um roubo seguido de morte – no estacionamento do shopping. 

Leia também: Adolescente suspeito de ajudar a planejar massacre é apreendido em Suzano

Nesta quarta-feira (20), a Justiça decretou a prisão de três suspeitos de envolvimento no crime. De acordo com a polícia, Gustavo Santos da Silva, de 22 anos, Marcos Henrique Nakamura, de 24, e Wesley Lima, de 20, abordaram o segurança por volta das 17h30 no estacionamento do shopping, quando ele pegava sua moto para voltar a Suzano .

No dia da sua morte, Santos tinha sido liberado para sair mais cedo do trabalho a fim de, justamente, levar sua filha, estudante da Escola Estadual Professor Raul Brasil , a um psicólogo. O colégio em que a menina estuda é o mesmo onde, na última quarta-feira (13), dois atiradores abriram fogo e fizeram dez mortos, além de 11 feridos. 

Leia também: Palco de massacre, escola de Suzano reabre hoje para ações de apoio psicológico

Segundo as informações reveladas pela Polícia Civil, os assaltantes roubaram a arma do segurança e atiraram contra ele. Santos chegou a ser levado para o Pronto-Socorro do Hospital Municipal Prof. Waldomiro de Paula (Planalto), mas não resistiu aos ferimentos. Depois do latrocínio, os criminosos fugiram para uma favela. 

Também de acordo a Polícia Civil, a identificação dos suspeitos foi feita com o auxílio das câmeras de segurança do shopping . O crime aconteceu no estacionamento aberto, mas as imagens registraram tudo. O caso está sendo investigado pelo 65º Distrito Policial, no bairro de Artur Alvim.

Leia também: Mensagens de 3º suspeito por massacre em Suzano detalham plano ainda mais cruel

Em nota, o shopping informou que "transmite sua solidariedade aos familiares do prestador de serviço", e que "colabora com as autoridades locais". Por enquanto, nenhum parente da sobrevivente de Suzano quis se pronunciar sobre a nova tragédia que atingiu o núcleo familiar.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários