Tamanho do texto

Vizinhos a barragem da Vale foram removidos por precaução; Justiça também determinou que Vale suspenda as operações de mais uma barragem

Rompimento de barragem em Brumadinho (MG) deixou centenas de mortos e desaparecidos
Presidência da Republica/Divulgação
Rompimento de barragem em Brumadinho (MG) deixou centenas de mortos e desaparecidos

Cerca de 29 moradores do povoado de Conceição de Monte Alegre, no distrito de Santa Bárbara de Monte Verde, em Minas Gerais, tiveram que deixar as suas casas na manhã deste sábado (16). A remoção das famílias se deu porque a barragem da usina hidrelétrica Mello, que pertence à Vale e fica em Rio Preto, corre risco de rompimento.

Leia também: Ministro do STJ manda soltar 13 funcionários da Vale e da TUV SUD

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil e da Polícia Militar, a barragem está com um risco classificado como elevado e a remoção foi feita por precaução.

A prefeitura de Rio Preto disponibilizou o Hotel São Luiz, localizado no centro da cidade, para as famílias que tiveram que deixar suas casas e não têm para onde ir. Algumas pessoas estão buscando abrigo na casa de parentes no perímetro urbano, fora da zona de risco.

No início de fevereiro, cerca de  500 moradores foram evacuados das comunidades de Socorro, Tabuleiro e Piteiras, todas em Barão de Cocais, a 100 quilômetros de Belo Horizonte. Na época, a Defesa Civil informou que os moradores foram removidos porque havia risco de rompimento da barragem Sul Superior da mina Gongo Soco, também da mineradora Vale .

Nesta sexta-feira (15), a Justiça determinou a suspensão das operações da Vale na Mina de Timbopeba, em Ouro Preto, mais uma vez por risco de rompimento. A Juíza Ana Paula Lobo de Freitas acatou o pedido do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), que afirmou que a empresa Tuv Sud informou que seria necessária a adoção imediata de medidas para evitar risco social e ambiental. O MPMG também recebeu denúncia anônima de que a barragem se encontrava em elevado processo de alteamento.

Além de parar as operações, a magistrada determinou que a Vale prepare um plano de ação que garanta a estabilidade da estrutura, contrate auditoria externa para fiscalizar reparos, fize rotas de fuga, apresente estratégias de evacuação e resgate para pessoas com dificuldade de locomoção e comunique à população do distrito de Antônio Pereira sobre um “efetivo plano de segurança de barragens”.

Leia também: Em 2018, governo de MG aprovou obras da Vale que colocavam Brumadinho em risco

A Vale afirmou em nota que “atendeu imediatamente a determinação e adotará as medidas cabíveis”. A mineradora disse ainda que a barragem foi vistoriada por técnicos da Agência Nacional de Mineração (AMN) nesta quinta-feira (14) “que constataram que a estrutura não possui nenhuma anomalia relevante ou situação que comprometa a segurança da barragem”. Segundo a mineradora, a ANM diz que, no momento, não se justifica uma interdição e/ou acionamento de Níveis de Alerta/Emergência que requeiram evacuação da população.