Tamanho do texto

Ministério Público apura se organização criminosa da internet teria incitado massacre; criminosos estariam planejando ataque por mensagens de texto

Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, foi identificado com um dos atiradores de Suzano
Reprodução
Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, foi identificado com um dos atiradores de Suzano

Os atiradores que mataram oito pessoas na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano , na Grande São Paulo, planejaram o ataque há cerca de um ano e meio, segundo as investigações da Polícia Civil. Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, e Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, teriam elaborado o plano por meio de mensagens de texto. O Ministério Público apura agora se uma organização criminosa na internet estaria por trás do ataque.

De acordo com os policiais, os atiradores tinham a intenção de deixar mais vítimas na escola de Suzano do que as 13 pessoas mortas durante o conhecido massacre de Columbine, que aconteceu em abril de 1999, nos Estados Unidos.

Enquanto os policiais tentam esclarecer o que possa ter levado os assassinos, que eram ex-alunos da escola, a terem cometido o ataque, algumas linhas de investigação foram traçadas. Uma delas afirma que o tio de Monteiro, Jorge Antônio Moraes, de 51 anos, teria descoberto o plano da dupla e, por isso, foi morto em sua loja de carros momentos antes dos assassinos invadirem a escola em Suzano .

Leia também: Vítimas do massacre de Suzano são veladas; um aluno está em estado grave

Outra linha de investigação apura se Monteiro e Castro poderiam ter sido incitados por membros do fórum Dogolachan na deep web , um segmento ‘secreto’ da internet. O local é conhecido por ser um espaço de discussões abertas acerca de práticas criminosas, violação de direitos humanos, propagação de preconceitos e misoginia. Após o massacre, os usuários ainda teriam usado o espaço para celebrar o “sucesso” do atentado.

De acordo com a investigação, na última quinta-feira (7), um dos atiradores teria agradecido ao administrador do fórum pelos “conselhos e orientações” dados e desejou “do fundo do coração” que o ataque não fosse cometido em vão.

Além das motivações para o crime, a polícia também investiga onde Monteiro possa ter comprado as armas usadas no crime – um revólver calibre 38, uma besta, um arco e flecha e um machado - e que foram adquiridas com o dinheiro que o adolescente recebeu de um carrinho de cachorro-quente onde trabalhava. Já o carro usado pela dupla, um Onyx branco, foi alugado por Castro e tinha como data de devolução o dia 15 desse mês.

Leia também: Doria anuncia pagamento de indenização às famílias das vítimas de Suzano

O atentado cometido pelos atiradores em Suzano deixou oito vítimas fatais e 11 feridos nesta quarta-feira (13). Segundo a investigação, com a chegada da Polícia Militar, Monteiro atirou em Castro e depois se suicidou.