Tamanho do texto

Filho da vítima estava em casa na hora do crime e presenciou momento em que casal começou a discutir; Lilian Maria de Oliveira, de 42 anos, foi levada ao hospital no centro da capital, porém não resistiu a ferimento no tórax

Após dar facada em mulher, agressor foi detido e levado à Central de Flagrantes, onde confessou o crime
Reprodução/Google Street View
Após dar facada em mulher, agressor foi detido e levado à Central de Flagrantes, onde confessou o crime

Uma mulher de 42 anos foi morta após levar uma facada do companheiro que se irritou com o volume da televisão. O caso aconteceu durante uma discussão entre o casal na madrugada desta sexta-feira (8) – Dia Internacional da Mulher – em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais.

Leia também: Onda de feminicídios atinge Carnaval e renova urgência de lutas no Dia da Mulher

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Militar de Minas Gerais, o filho da vítima, Rafael Lucas Cordeiro, de 22 anos, estava em casa na hora do crime e percebeu quando a discussão teve início. Cleuber Elias Silva Santos, de 38 anos, teria se dirigido até a cozinha e retornado ao quarto do casal, onde a mulher estava, com uma faca na mão.

Cordeiro ainda contou que tentou evitar o crime, porém quando entrou no quarto, a mãe, Lilian Maria de Oliveira, já estava ferida com um corte no tórax e o agressor estava com a faca em punhos. Tanto ele, quanto seu irmão, de 15 anos, ainda teriam tentado impedir a fuga do padrasto e, na ação, também foram agredidos pelo homem.

Leia também: Damares e Moro lançam força-tarefa para proteção a mulheres vítimas de violência

De acordo com a Polícia Militar, as equipes foram acionadas por volta da meia-noite e o homem foi detido e levado à Central de Flagrantes da Polícia Civil do estado. Aos policiais, Santos confessou o crime e confirmou ter se irritado com um defeito no som da televisão do quarto do casal. A investigação esteve presente na cena do crime, onde foi recolhida a faca usada no assassinato , que havia sido jogada na pia da cozinha pelo agressor.

Lilian foi levada pela equipe de socorro ao Hospital João XXIII, no centro da cidade, porém não resistiu ao ferimento realizado na região próxima ao coração. O casal mantinha um relacionamento há cinco anos. O agressor deve ser enquadrado na Lei Maria da Penha e, possivelmente, na Lei do Feminicídio , que prevê punição por homicídio cometido contra a mulher pelo fato de ser mulher.

*Com informações da Agência Brasil.