Tamanho do texto

Ernesto Araújo usou seu blog para criticar os governos anteriores ao de Bolsonaro e atacar o pensamento de FHC sobre a política na Venezuela

Ernesto Araújo usou seu blog para criticar Fernando Henrique Cardoso e as últimas relações brasileiras com a política da Venezuela
Marcelo Camargo/ABr
Ernesto Araújo usou seu blog para criticar Fernando Henrique Cardoso e as últimas relações brasileiras com a política da Venezuela


O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, fez duras críticas aos governos de Fernando Henrique Cardoso, do PT e de Michel Temer. Em um novo artigo em seu blog, o chanceler afirma que não fosse a política implementada pelo Itamaraty após sua chegada e do presidente Jair Bolsonaro, não existiria qualquer esperança dos venezuelanos pela queda de Nicolás Maduro.

Leia também: Chanceler Ernesto Araújo descarta intervenção brasileira na Venezuela

Com o título de “Contra o consenso da inação”, o artigo de Ernesto Araújo lembra do apoio de governos anteriores ao “chavismo” e do consenso dos governos brasileiros no apoio a Hugo Chavez e posteriormente a Nicolás Maduro, seu sucessor.

“Eu senti o seu enorme anseio de que agora, finalmente, graças em grande parte ao novo Brasil, os venezuelanos possam recuperar sua pátria e sua dignidade humana, com o fim iminente da ditadura. Eu abracei Juan Guaidó , esse líder destemido que, sob risco de vida, corporifica o sonho de uma nova Venezuela”, escreve o chanceler.

Araújo aproveita para criticar FHC e dizer que, diferente do ex-presidente, seu pensamento é que a diplomacia pode mudar a realidade. Em um artigo publicados em jornais, o tucano defendeu um consenso e intervenção na Venezuela para suprir os problemas atuais.

Leia também: Amor e ódio: por que Trump mantém relações tão diferentes com Kim e Maduro?

O chanceler também faz questão de ressaltar que a participação brasileira no Grupo de Lima é de fundamental importância para que Juan Guaidó ganhe cada vez mais força. De acordo com Araújo, foi o Brasil que atraiu os Estados Unidos ao assunto e não o contrário.

“Segundo me confidenciou pessoalmente uma grande liderança democrática venezuelana, foram as iniciativas do Brasil que mudaram o jogo e mobilizaram os próprios Estados Unidos a romperem a inércia em que se encontravam até o início de janeiro e a virem colocar seu peso político em favor da transição democrática. Não foi o Brasil que seguiu os EUA, mas antes o contrário. Quem não acreditar, pergunte aos venezuelanos”, escreveu.

Leia também: Uma semana após anúncio de ajuda à Venezuela, insumos ainda aguardam em galpão

Grande crítico da política bolivariana, Ernesto Araújo representou o Brasil na última reunião do Grupo de Lima ao lado do vice-presidente Hamilton Mourão.