Tamanho do texto

Cinco das empresas concorrentes devem, juntas, R$ 344 milhões em dívidas tributárias e previdenciárias para a Fazenda Nacional

Empresas que disputam licitação de ônibus em São Paulo são criticadas por qualidade do transporte
Divulgação/ Rovena Rosa/ Agência Brasil
Empresas que disputam licitação de ônibus em São Paulo são criticadas por qualidade do transporte

Empresas que disputam a licitação para concessão de ônibus na cidade de São Paulo têm dívidas com a União que, somadas, chegam a R$ 344 milhões. De um total de 22 empresas que se candidataram na licitação, cinco estão devendo para Fazenda Nacional, em dívidas tributárias e previdenciárias.

Leia também: Prefeitura vai limitar recarga do Bilhete Único a partir de fevereiro; entenda

São devedoras a Norte Buss Transportes (R$ 178 milhões), a Via Metrópole Paulista (R$ 123 milhões), Express (R$ 38 milhões) a Imperial (R$ 4 milhões) e a Transunião (R$ 85 mil). Algumas delas já prestam serviços na capital e são criticadas pela qualidade dos ônibus e do transporte coletivo .

O G1 procurou as empresas que participam da licitação e são devedoras do Fisco. A Norte Buss disse que foi incluída indevidamente na lista e que está atuando para reverter a situação.

Já a Secretaria de Mobilidade e Transportes informou que leva em consideração todas as informações para verificar a viabilidade de participação das empresas no certame e que ainda irá avaliar as propostas oferecidas.

Entenda a licitação de ônibus em São Paulo

Licitação de ônibus se arrasta desde 2015; Transporte coletivo está funcionando com contratos emergenciais
Arquivo Pessoal/ Bruno de Lima
Licitação de ônibus se arrasta desde 2015; Transporte coletivo está funcionando com contratos emergenciais

A licitação de ônibus na cidade de São Paulo é a maior do país, com contratos que devem superar a marca de R$ 71,14 bilhões. A escolha é válida pelos próximos 20 anos.

A concessão  se arrasta desde 2015 porque a concorrência foi contestada diversas vezes na justiça e no Tribunal de Contas do Município (TCM). Atualmente, o sistema funciona por meio de contratos emergenciais, que são mais custosos e menos exigentes em relação às empresas de ônibus.

O sistema de transporte do município foi dividido em 32 lotes para a concorrência, com três grupos: estrutural, local de articulação regional e local de distribuição. Mas apenas um dos lotes terá uma disputa real. As empresas Transunião e Imperial brigam pela atuação na região de São Miguel Paulista, na zona leste da capital.

A Transunião é uma das companhias questionadas por possuir dívidas milionárias com o Estado.

Leia também: Prefeitura de SP descumpre decisão judicial para reduzir tarifa de ônibus

Os ônibus paulistanos fazem cerca de 2,8 bilhões de viagens por ano, transportando uma média de 9,6 milhões de passageiros por dia. Rodam pela capital 14,4 mil ônibus em 1,3 mil linhas.