Tamanho do texto

Rachaduras em prédios na zona sul assustou moradores que foram obrigados a deixar seus apartamentos às pressas por risco de desabamento, nessa terça

Bombeiros esvaziam prédios na zona sul de São Paulo, após risco de desabamento
Reprodução/Google Street View
Bombeiros esvaziam prédios na zona sul de São Paulo, após risco de desabamento

Os moradores de dois prédios residenciais de um condomínio localizado na Vila Andrade, na região do Morumbi, zona sul de São Paulo, foram obrigados a se retirar às pressas de seus apartamentos, na tarde dessa terça-feira (19), por risco de desabamento.

Leia também: Desabamento de casa deixa um morto e um ferido em São Paulo

Em nota, o Corpo de Bombeiros explicou que foi acionado para realizar vistoria no condomínio Liberté Morumbi, localizado na Rua Marie Nader Calfat, e devido à presença de uma grande rachadura que se alastrou por vários apartamentos, a Defesa Civil interditou os  prédios  e 106 apartamentos foram esvaziados como medida preventiva. Alguns residentes ainda foram autorizados a entrar nos apartamentos e retirar animais de estimação e pertences importantes.

Um boletim de ocorrência sobre as fissuras foi registrado no 89º Distrito Policial pelos moradores, que afirmaram que as rachaduras são visíveis na fachada e nos corredores há dez anos, mas o receio do desabamento surgiu quando uma nova fissura, seguida de um estalo, apareceu no prédio.

Leia também: Solo de estacionamento cede e caminhão cai sobre academia na zona norte de SP

Os moradores ainda movem uma ação contra a construtora DMF, que construiu o prédio em 2006. A empresa informou, em nota, que não tinha conhecimento do ocorrido e que prestará apoio às famílias que tiveram que deixar suas casas.

Segundo os bombeiros, a ação contou com a presença de um engenheiro e um agente vistor da subprefeitura. A Defesa Civil municipal, sob a gestão de Bruno Covas (PSDB), agora realiza vistoria para fazer um diagnóstico estrutural desses prédios e monitorar a estabilização das duas torres interditadas, que apresentam oito andares com seis apartamentos em cada um.

Leia também: Viaduto que cedeu na Marginal Pinheiros será reaberto para carros já em março

Os bombeiros ainda informaram que um dos prédios está mais comprometido que o outro por causa das rachaduras e a gravidade da situação ainda não está esclarecida. Segundo a Defesa Civil, ainda não há previsão para a data de liberação dos apartamentos aos moradores.