Tamanho do texto

Mãe de Pedro Henrique Gonzaga afirmou em depoimento que foi impedida por um segurança de se aproximar do filho quando tentava separar a briga

Segurança do supermercado imobilizou o jovem porque ele teria tentado retirar a arma do vigilante
Reprodução/redes sociais
Segurança do supermercado imobilizou o jovem porque ele teria tentado retirar a arma do vigilante

Dinalva de Oliveira, mãe de Pedro Henrique Gonzaga, compareceu nesta quarta-feira (20) à Delegacia de Homicídios da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, para formalizar uma representação por lesão corporal contra o segurança Davi Ricardo Moreira Amâncio. Pedro morreu asfixiado após ser imobilizado pelo vigilante em uma filial do supermercado Extra.

O advogado da família, Marcello Ramalho, afirmou que Dinalva  disse em depoimento que foi empurrada pelo segurança do supermercado quando tentou separar a briga, antes da imobilização de Pedro, e ficou com o braço machucado. Ela fez exame de corpo delito no Instituto Médico Legal (IML) nesta terça-feira (19).

“No momento em que ela tenta tirar o segurança de cima do filho dela, o segurança Davi faz um movimento brusco com o braço e ela rola no chão, lesionando o cotovelo esquerdo”, disse Ramalho.

Nesta quarta-feira pela manhã, dois funcionários do  Extra prestaram depoimento na Delegacia de Homicídios. Davi Ricardo e outros dois seguranças também depuseram hoje na mesma delegacia. Eles chegaram pouco antes das 10h30, acompanhados de dois advogados.

Os dois vigilantes não tiveram o nome revelado e, por enquanto, são acusados por omissão de socorro, uma vez que, como mostra vídeo da ação de Davi, não fizeram nada para evitar a morte de Pedro, ainda que tenham sido alertados que o jovem já estava desacordado e em processo de cianose.

Leia também: Segurança que matou jovem em supermercado foi condenado por agressão a ex-mulher

Como Davi é acusado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, a acusação dos outros dois seguranças é por omissão de socorro. Caso a acusação de Davi mude e ele passe a responder por homicídio doloso, os outros vigias podem ser vistos como cúmplices e passar a responder pelo mesmo crime.

Relembre o caso do supermercado

Pedro Henrique, de 25 anos, foi morto no supermercado Extra da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro
Reprodução/redes sociais
Pedro Henrique, de 25 anos, foi morto no supermercado Extra da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro

Na última quinta-feira (14), o jovem   Pedro Henrique Gonzaga foi assassinado pelo segurança no supermercado Extra da Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. O segurança deu um golpe e imobilizou Pedro, que morreu sufocado . A mãe da vítima estava no supermercado e viu a cena.

Davi Amâncio afirmou em depoimento à polícia que o jovem estava nervoso e teria tentado retirar sua arma enquanto ameaçava “matar todos no local”. Os advogados do segurança alegam legítima defesa.

O supermercado Extra afirmou "que não aceita qualquer ato de violência, excessos e repudia toda forma de racismo". O mercado diz que não vai se eximir da responsabilidade e que os seguranças envolvidos foram afastados. "a companhia instaurou uma sindicância interna e acompanha junto à empresa de segurança e aos órgãos competentes o andamento das investigações".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.