Tamanho do texto

Mineiradora pagará o valor para cada família de mortos e desaparecidos na tragédia após o rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão

Vale fará repasse se R$ 100 mil às famílias de vítimas da tragédia em Brumadinho
Tomaz Silva/Agência Brasil - 25.1.19
Vale fará repasse se R$ 100 mil às famílias de vítimas da tragédia em Brumadinho

A mineradora Vale inicia amanhã (31) o cadastro de pessoas que têm parentes mortos ou desaparecidos após o rompimento de uma barragem em Brumadinho (MG). A empresa informou que pagará às famílias R$ 100 mil por pessoa desaparecida ou morta. O atendimento será feito em dois postos, das 14h às 18h, nesta quinta-feira e das 8h às 18h nos demais dias, prioritariamente na Estação do Conhecimento e também no Centro Comunitário do Feijão.

Leia também: Buscas em Brumadinho entram no 6º dia; 67 dos 84 mortos já foram identificados

De acordo com o porta-voz do Comitê de Respostas Rápidas da mineradora em Brumadinho , Sérgio Leite, estão aptos a receber o repasse famílias de funcionários da Vale, contratados e terceirizados, e membros da comunidade, falecidos ou desaparecidos, conforme lista oficial validada pela Defesa Civil de Minas Gerais e divulgada no site da empresa na última segunda-feira (28).

A companhia esclareceu ainda que apenas um representante poderá se registrar para receber o valor. Serão priorizados inicialmente os responsáveis legais por filhos menores de idade, seguidos de cônjuges ou companheiros em regime de união estável, descendentes e, por último, ascendentes.

“Procuramos organizar de forma bastante criteriosa para garantir o funcionamento adequado. A gente sabe das dificuldades do momento”, disse. “É uma doação voluntária da Vale, independentemente de qualquer outra providência ou reposição”, completou.

A Vale ressaltou que, no momento do registro, será necessário apresentar a documentação comprobatória de vínculo familiar e dados pessoais originais e atualizados (nome completo, RG, CPF, data de nascimento, endereço completo, e-mail, telefone e dados bancários).

Leia também: Governo deve liberar R$ 190 milhões para saúde em Minas Gerais após Brumadinho

“A partir desses postos organizados, critérios seguidos, contas bancárias estabelecidas, em até três dias, esse dinheiro estará na conta”, destacou o porta-voz da empresa.

Segundo ele, três canais telefônicos podem ser utilizados para tirar dúvidas quanto ao processo de registro: 0800 031 0831(Alô Brumadinho), 0800 285 7000 (Alô Ferrovias) e 0800 821 5000 (Ouvidoria da Vale).

Vale diz que doção ás vítimas de Brumadinho não é indenização

Vale afirmou que não vai desamparar o município de Brumadinho após tragédia
Ricardo Stuckert / Fotos Públicas
Vale afirmou que não vai desamparar o município de Brumadinho após tragédia

A doação foi anunciada em entrevista coletiva concedida pelo diretor-executivo de Finanças e Relações com Investidores da Vale , Luciano Siani, na sede da empresa no Rio de Janeiro na última segunda-feira (28). O executivo ressaltou que o valor de R$ 100 mil não se refere ao pagamento de indenização, mas sim de recursos que serão disponibilizados "imediatamente".

"Isso não tem nada a ver com indenização, que, nós sabemos, tem valores muito mais altos. A doação começa imediatamente. O número de pessoas desaparecidas varia a cada momento. O que importa é que, quem estiver com familiares desaparecidos, receberá os recursos imediatamente", disse Siani. "Nós não vamos medir esforços e nem recursos", garantiu.

O executivo minimizou as perdas econômicas para a Vale após a tragédia em Brumadinho . A empresa já teve R$ 11,8 bilhões bloqueados judicialmente e, nesta segunda-feira, viu suas ações caírem 24% e perdeu R$ 71 bilhões em valor de mercado . No início da noite, a nota de crédito da empresa também foi rebaixada pela agência americana Fitch.

"A Vale tem cerca de 200 mil acionistas, só em pessoas físicas. Ela tem grandes fundos de pensão como acionistas. Há pelo menos 500 mil famílias que têm o seu ganha-pão diretamente atrelado à companhia. Então, existe o dever de preservar a companhia de forma que ela continue a gerar riqueza. Mas essas informações são completamente secundárias neste momento. Precisamos encontrar soluções que atendam a todas as partes envolvidas", disse Siani.

Leia também: Vale não "vê responsabilidade" por tragédia, diz advogado; empresa rebate

Além da doação às famílias afetadas, o executivo da mineradora anunciou também mais três medidas com o foco na "mitigação do sofrimento", conforme Siani destacou. A empresa fará a instalação de uma cortina de contenção no Rio Paraopeba para tentar impedir que os rejeitos da barragem avancem e afetem o abastecimento de água em cidades vizinhas.

A Vale também se comprometeu a não cortar os repasses de recursos para o município de Brumadinho , embora as operações da mineradora estejam paralisadas. Por fim, a empresa também anunciou a contratação de equipe de psicólogos do hospital paulista Albert Einstein para atuar no atendimento às vítimas de Brumadinho.