Tamanho do texto

Motorista de aplicativo, Vanusa Ferreira, de 36 anos, foi encontrada morta no último domingo (20) depois de se negar a ter relações sexuais com cliente

Empresário matou motorista de aplicativo após a corrida
Reprodução
Empresário matou motorista de aplicativo após a corrida

O empresário Parsilon dos Santos Lopes afirmou, nessa quarta-feira (24), que matou a motorista de aplicativo Vanusa da Cunha Ferreira por ela se recusar a ter relações sexuais com ele depois de uma corrida particular em Aparecida de Goiânia. 

Leia também: Homem estrangula namorada e abandona corpo em calçada na zona sul de São Paulo

Vanusa, de 36 anos, foi encontrada morta no domingo (20). Horas antes, seu carro foi encontrado em uma rua da cidade. Técnica de enfermagem e motorista nas horas vagas, ela tirou fotos com Parsilon e a dupla de músicos da qual ele era empresário , Zé Luccas e Matheus, e enviou para parentes durante a corrida na noite do dia 18. 

De acordo com a investigação, Vanusa deixou a dupla em uma casa no Jardim Guanabara por volta das 4h30 e depois foi levar Parsilon até uma chácara, onde ele trabalhava como serralheiro. A corrida estava sendo feita por fora da plataforma do aplicativo que Vanusa costumava utilizar.

O caso foi registrado na Central de Flagrantes na tarde de sábado. Amigos de Vanusa  foram até a Delegacia Estadual de Investigação Criminal e cobraram uma investigação. 

Leia também: Suspeito pela morte de jovem no Rio é solto após uma semana preso por engano

A Polícia Civil informou, por meio de nota, que o corpo foi achado depois de várias buscas feitas por equipes da Delegacia Especializada em Investigações Criminais (Deic). Em depoimento, o criminoso afirma que os dois estavam no carro e achou que "pintou um clima" entre eles, mas ela negou. Em seguida, o empresário tentou estuprá-la, Vanusa saiu do carro e tentou fugir.

Parsilon a segurou e eles acabaram caindo, a motorista bateu a cabeça no meio fio e perdeu os sentidos. O empresário, por sua vez, bateu a cabeça da vítima novamente contra o chão e ainda abusou sexualmente dela quando já estava morta. Ele foi preso nesta segunda-feira e ontem confessou o crime. 

Leia também: Serial killer em Goiânia? Polícia encontra terceiro corpo decapitado em dez dias

Parsilon tem outras cinco passagens pela polícia por crimes como ameaça, injúria e danos, todos praticados contra a mulheres. O empresário vai responder pelo crime contra a motorista por homicídio qualificado, tentativa de estupro e vilipêndio de cadáver. 


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas