Tamanho do texto

Funcionários públicos que usavam câmeras de monitoramento para espiar mulheres em praias de Guaratuba, no Paraná, retornam às atividades

Servidores que fizeram uso indevido de câmera de monitoramento em Guaratuba, voltam a trabalhar
Divulgação
Servidores que fizeram uso indevido de câmera de monitoramento em Guaratuba, voltam a trabalhar

Os quatro servidores municipais que usaram câmeras de monitoramento para espiar mulheres de biquíni em Guaratuba , no litoral do Paraná, voltaram às atividades na última terça-feira (8). Eles haviam sido afastados em novembro do ano passado, enquanto eram investigados pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) pelos atos ilegais.

Ainda não foram informadas quais as funções que serão exercidas pelos servidores, já que eles não trabalharão mais na área de monitoramento. Em dezembro, a 2ª Promotoria de Justiça de  Guaratuba  instaurou um inquérito civil para investigar o caso.

De acordo com a prefeitura, a primeira fase da apuração foi concluída e a comissão de sindicância sugeriu a abertura de um processo administrativo disciplinar, que foi aceito pelo prefeito Roberto Justus (DEM). A partir de agora, o processo deverá ser concluído em 90 dias, para que os funcionários recebam as penas – que podem ir desde repreensão até demissão.

Leia também: Delegado cuidará exclusivamente da investigação sobre o assassinato de Marielle

Polêmica em Guaratuba

Mulheres foram vítimas de gravação ilegal feita por câmeras de segurança m Guaratuba
Reprodução
Mulheres foram vítimas de gravação ilegal feita por câmeras de segurança m Guaratuba

Enquanto procuravam pelo adolescente de 13 anos, Wellington Bruno Kluger Moreira, que havia sumido na região de Guaratuba, alguns servidores públicos   descobriram imagens de mulheres de biquíni e shorts, na praia, na orla, dentro do quarto de um hotel e em um bar da região. Os vídeos haviam sido gravados por, pelo menos, dez  câmeras de monitoramento da Praia Central e de outros três pontos turísticos.

As denúncias das imagens chegaram até o Ministério Público pela Câmara de Vereadores do município. A autoria da divulgação dos vídeos gravados, assim como os possíveis danos coletivos ocasionados pelo ato e a responsabilidade do poder público municipal são questões que estão sendo apuradas pela investigação.

Leia também: João de Deus e a esposa são indiciados por porte ilegal de armas de fogo

Já o corpo do adolescente que desapareceu foi encontrado no mar, em Matinhos, no dia 18 de novembro. De acordo com os familiares, o garoto sumiu após ter ido comprar um sorvete e havia sido visto pela última vez nas escadarias do Morro do Cristo, ponto tradicional em  Guaratuba .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas