Tamanho do texto

Submarino Riachuelo é lançado ao mar, em cerimônia realizada no Rio; Temer e Bolsonaro foram responsáveis pela apresentação da placa de lançamento e a primeira-dama Marcela Temer 'batizou' a embarcação

Temer e Bolsonaro participam de cerimônia de lançamento do Submarino Riachuelo e descerram a placa
Divulgação/ Palácio do Planalto
Temer e Bolsonaro participam de cerimônia de lançamento do Submarino Riachuelo e descerram a placa

O Submarino Riachuelo foi lançado ao mar durante cerimônia no Complexo Naval de Itaguaí (RJ), na manhã desta sexta-feira (14). O evento contou com a presença do presidente Michel Temer e do presidente eleito, Jair Bolsonaro, que desceram a placa de lançamento juntos.

Leia também: Temer contraria interventor e nega haver proibição a venezuelanos em Roraima

Esse é o primeiro submarino do Programa de Desenvolvimento de Submarinos, com parceria da França. De acordo com o diretor presidente da Itaguaí Construções Navais, André Portalis, foi o primeiro passo na “grande caminhada tecnológica e estratégica” nacional, podendo atender a demandas de países aliados do Brasil e da França no futuro.

"Ele é uma combinação da tecnologia francesa com as necessidades da Marinha do Brasil. Uma tropicalização para proteger o vasto e precioso patrimônio da Amazônia Azul", completou o diretor presidente.

Antes de descerrar a placa, Michel Temer reforçou que o submarino não é instrumento de preocupação para os outros países e nem motivo de guerra, mas sim um mecanismo de defesa das riquezas marinhas do Brasil. “Estamos dando prova renovada da excelência da nossa indústria naval. Estamos mostrando que juntos somos capazes de superar qualquer desafio”.

Temer também exaltou o futuro presidente e disse ter "absoluta certeza e convicção" de que Bolsonaro fará "um excelente governo". "Não só pelo que revelaram suas falas, mas pela história de Bolsonaro e dos que compõem sua equipe", bajulou Temer.

O Brasil é o 10º país com maior área marítima e possui riquezas – como exemplo, 95% da produção de petróleo nacional - no território chamado de Amazônia Azul, como foi lembrado pelo ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna.

Leia também: Futuro ministro da Defesa anuncia novos comandantes das Forças Armadas

Durante a cerimônia, a primeira-dama Marcela Temer, madrinha do Riachuelo, batizou a embarcação quebrando uma garrafa contra o casco e pedindo a bênção aos marinheiros que navegarem. Após o discurso, a embarc ação desceu ao mar, através de um elevador com 34 guinchos. O processo demorou meia hora para acontecer.

Marcela Temer 'batiza' submarino Riachuelo, em cerimônia no Rio
Divulgação/ Palácio do Planalto
Marcela Temer 'batiza' submarino Riachuelo, em cerimônia no Rio

A etapa final de montagem começou no dia 20 de fevereiro. A embarcação tem 72 metros de comprimento e 1.700 toneladas, com capacidade de abrigar 35 tripulantes e atingir a velocidade de 37 km/h. Além disso, ela carrega armamentos como torpedo, mina e mísseis.

Ao longo dos próximos dois anos, serão feitos testes de funcionamento dos seus equipamentos, para, assim, ele ser incorporado à esquadra da Marinha. O cronograma de lançamento dos próximos submarinos do Prosub é: Humaitá em 2020, Tonelero em 2021, Angostura em 2022 e o nuclear Álvaro Alberto em 2029 – este será o primeiro com propulsão nuclear do país.

Silva e Luna afirmou que o andamento do programa nos próximos anos requer perseverança, continuidade de esforços e investimentos. "Hoje é dia a ser celebrado, sem ufanismo, mas com muito otimismo e muito orgulho".

Leia também: "Conte conosco", diz Bolsonaro a ministro italiano sobre extradição de Battisti

Atualmente, o Brasil conta com cinco submarinos – um da classe Tikuna, em 2008, construído no país, e quatro da classe Tupi, sendo que o primeiro submarino foi construído na Alemanha entre 1987 e 1989 e os outros três, iguais ao alemão, montados no Brasil, nas décadas de 1990 e 2000.

*Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas