Tamanho do texto

Tiroteio em igreja no interior de São Paulo deixou cinco mortos, incluindo o atirador; sacerdote afirmou que todos ficaram abalados com o ocorrido

Catedral de Campinas foi palco de uma cena de mortes e suicídio nesta terça-feira (11)
Divulgação
Catedral de Campinas foi palco de uma cena de mortes e suicídio nesta terça-feira (11)

O padre Amauri Thomazzi, que celebrava uma missa antes do tiroteio dentro de uma catedral de Campinas , no interior de São Paulo, nesta terça-feira (11), publicou um vídeo nas redes sociais no qual afirma que o atirador fez mais de 20 disparos contra os fiéis que participavam da celebração.

Com a restrição de entrada e saída de pessoas da catedral de Campinas , o padre decidiu fazer um vídeo para informar que estava bem e que não foi ferido pelo atirador. “Eu rezei a missa do meio dia e quinze, no final da missa uma pessoa entrou atirando e fez algumas vítimas, ninguém pode fazer nada, ajudar de forma nenhuma”, lamentou Thomazzi. Ao menos cinco foram mortos, incluindo o atirador, e quatro ficaram feridas.

O padre pediu orações para as vítimas do episódio e disse que não há previsões de como será a programação da catedral hoje e amanhã. “Todos estamos muito abalados com tudo o que aconteceu.”

Leia também: Preso 3º suspeito por ataque a bancos que resultou na morte de reféns, no Ceará

A Catedral Metropolitana de Campinas é a igreja principal da cidade que tem mais de 1 milhão de habitantes. Pessoas que passavam pela praça José Bonifácio, local em que fica a igreja, correram para dentro de estabelecimentos comerciais após ouvirem os tiros.

Responsável pelo caso, o delegado Hamilton Caviola Filho esclareceu que o homem entrou na catedral armado de uma pistola automática e de um revólver calibre 38, além de quatro carregadores. Ele permaneceu sentado durante dois minutos para depois iniciar o tiroteio .

Imediatamente ele foi contido por dois policiais e um deles conseguiu alvejar o criminoso, que ainda com vida, atirou contra si próprio. As conclusões vieram por meio das imagens cedidas pela própria igreja.

"Ele usou uma arma, mas estava com duas. Motivação a gente só vai saber quando a gente identificar, para saber o histórico dele. Por enquanto, eu estou me reportando às imagens. Ele parou, pensou e executou o plano que tinha na cabeça. Foi suicídio, mas o policial deve ter alvejado antes, porque ele estava com um tiro na costela. Depois desse tiro ele caiu e se matou", explicou o delegado.

As armas foram encontradas sob a posse do atirador e passarão por perícia. Como não portava nenhum documento, sua identidade só poderá ser revelada no Instituto Médico Legal, onde serão registradas suas impressões digitais, método usado para identificação de mortos.

Dois dos feridos após os tiros foram encaminhados para o Hospital Municipal Mário Gatti e, segundo o Corpo de Bombeiros, estão em situação estável. Outro foi encaminhado para o Hospital das Clínicas da Unicamp e ainda outro é atendido no Hospital Beneficiência Portuguesa. Algumas vítimas fatais seguem no local para o trabalho da perícia.

Leia também: MP-GO investiga denúncias de abuso sexual e de pedofilia contra João de Deus

Em nota, o prefeito da cidade, Jonas Donizette, afirmou que está estarrecido com o brutal crime na catedral de Campinas e que vai dedicar suas orações às vítimas e suas famílias. Ele ainda disse que não medirá esforços para que a motivação do tiroteio seja esclarecida pelos órgãos competentes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.