Tamanho do texto

Pancadas de chuva atingiram, sobretudo, zona Leste, Sudeste e o Centro da capital; trilhos dos trens da CPTM ficaram submersos com a chuva

Alagamentos na Grande SP deixam parte da cidade em estado de atenção
Reprodução / TV Globo
Alagamentos na Grande SP deixam parte da cidade em estado de atenção

Um forte temporal de primavera atingiu a região metropolitana de São Paulo, que registrou pontos de alagamento em diversas regiões da cidade na tarde desta quarta-feira (17). Os alagamentos na Grande SP atingiram sobretudo as zonas Leste, Sudeste e o Centro da capital, que devem ser evitadas pelos motoristas.

Leia também: Juiz vê "crítica ácida", mas descarta ofensa em vídeo de Doria com França obeso

Fotos e vídeos gravados durante a chuva mostram carros submersos e uma volumosa correnteza na região. Após os relatos de alagamentos na Grande SP , o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) determinou, às 16h13, que as áreas atingidas entrem em estado de atenção até que a situação se normalize.

É recomendado aos motoristas que evitem transitar pela Avenida Professor Luiz Ignácio Anhaia Mello, na Vila Prudente , Zona Leste. Os bairros que mais sofreram com a chuva foram, além da Vila Prudente, foram a Mooca, Água Rasa e Vila Carrão, todos na Zona Leste.  

Também em função da chuva, os trilhos da CPTM , a companhia municipal de trens, em Santo André foram tomados pelas águas, fazendo com que a circulação fosse temporariamente suspensa na região.

Leia também: Skaf declara apoio a Marcio França no 2º turno para governador de SP

Triste rotina de alagamentos na Grande SP

Alagamentos na Grande SP são rotineiros para quem vive na cidade
Reprodução / TV Globo
Alagamentos na Grande SP são rotineiros para quem vive na cidade

Fortes chuvas seguidas de alagamentos e prejuízos não são novidades para os moradores de São Paulo. Em março deste ano, todas as regiões da cidade tiveram de entrar em  estado de atenção para alagamentos na Grande SP devido ao forte temporal que atingiu a capital paulista no dia 28. De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), serviço ligado à prefeitura, a cidade contabilizava então ao menos 17 pontos intransitáveis devido ao acúmulo de água da chuva. De lá pra cá, o poder público não apresentou soluções para o problema.

Leia também: Doria põe R$ 1,6 milhão do próprio bolso em campanha e espera recursos do PSDB