Tamanho do texto

Na TV, campanha do candidato tucano ao Governo de SP explorou imagens de Márcio França (PSB) antes e depois de cirurgia bariátrica; juiz eleitoral diz que peça "não lesa a honra" do candidato, que pediu "mais respeito" a Doria

Propaganda do candidato João Doria (PSDB) expõe foto de Márcio França (PSB) antes de cirurgia bariátrica
Reprodução/Youtube
Propaganda do candidato João Doria (PSDB) expõe foto de Márcio França (PSB) antes de cirurgia bariátrica

A campanha do candidato ao Governo de São Paulo pelo PSDB, João Doria , seguirá veiculando propaganda em que exibe imagens do governador Márcio França (PSB) obeso. A peça publicitária, exibida na televisão no último sábado (22), foi contestada na Justiça Eleitoral pela coligação que apoia França, mas o juiz auxiliar Mauricio Fiorito entendeu que o vídeo "não acarretou lesão à honra" do governador.

Criticada em redes sociais, a propaganda de João Doria utiliza fotos de Márcio França antes e depois de ele ter realizado cirurgia bariátrica e explora o fato de que "parecem dois candidatos diferentes". "Mas a história é uma só. Foi amigo e participou do conselho político de Lula. E também apoiou o Haddad a pedido do Lula. O candidato Márcio França gosta de falar que é novo. Mas não gosta de falar das suas velhas alianças", conclui a peça publicitária.

Os advogados da campanha de Márcio França alegaram que a exploração de suas características físicas tiveram a "intenção de degradação e ridicularização" do candidato, mas o juiz Mauricio Fiorito, da Justiça Eleitoral em São Paulo, não avaliou dessa maneira.

"A propaganda questionada, embora contenha crítica ácida, aparentemente não extrapolou os limites da liberdade de expressão e direito à crítica constitucionalmente assegurados, não acarretando em possível lesão à honra do candidato", considerou o magistrado.

Leia também: Bolsonaro responde a manifesto assinado por artistas com ataques à Lei Rouanet

"João Doria, não se brinca com a doença dos outros", reclama França

Ex-prefeito de São Paulo, João Doria deixou cargo em abril para se candidatar ao Governo do Estado
Reprodução/Facebook
Ex-prefeito de São Paulo, João Doria deixou cargo em abril para se candidatar ao Governo do Estado

O juiz, por outro lado, aceitou pedido para suspender a veiculação da propaganda por considerar irregular o fato de que o autor da peça não ter sido devidamente identificado, uma vez que foi usada a cor preta para identificar a coligação de Doria sobre um fundo escuro. O magistrado impôs multa no valor de R$ 10 mil em caso de descumprimento da decisão.

A campanha do tucano, no entanto, decidiu alterar a cor da fonte utilizada na propaganda para manter sua veiculação.

Em vídeo publicado nas redes sociais, o candidato Márcio França respondeu à propaganda de seu adversário e cobrou "mais respeito". "João, não se brinca com a doença dos outros. Não é assim que se faz política. Você não humilha as pessoas. Não faça isso. Igual a mim, tem milhões de pessoas que têm diabetes e fizeram cirurgia. As pessoas fazem isso por necessidade", reclamou o governador.

Em nota, a equipe de campanha de João Doria destacou que o juiz eleitoral "reconheceu que não houve nenhum tipo de ofensa a característica física do candidato Márcio França" e pontuou que o intuito da propaganda do PSDB era apontar "críticas a seu passado de relações estreitas com Lula e os governos do PT".

Leia também: O que é a teoria do eleitor mediano e como explica o modo 'de fisgar' indecisos

Márcio França respondeu a propaganda de João Doria em vídeo: