Tamanho do texto

Operação deflagrada em São Paulo teve como alvo quadrilha que aplicava golpes pela internet contra clientes de bancos; líder do grupo tem só 24 anos e gastou R$ 20 milhões com Ferraris, Lamborghinis, Maserati e McLaren

Lamborghini Aventador foi um dos veículos apreendidos em operação da Polícia Civil com o MP-SP
Divulgação/MPSP
Lamborghini Aventador foi um dos veículos apreendidos em operação da Polícia Civil com o MP-SP

Operação da Polícia Civil de São Paulo em conjunto com o Ministério Público do Estado (MP-SP) resultou, nesta quarta-feira (10), na prisão de homem acusado de liderar uma quadrilha que faturou R$ 400 milhões aplicando golpes contra clientes de bancos pela internet.

Leia também: Herdeiras de Marielle Franco conquistam vagas no Poder Legislativo

O principal alvo dessa operação da Polícia Civil com o MP-SP foi identificado pelos investigadores apenas pelas iniciais P. H. B. Trata-se de criminoso de apenas 24 anos de idade que conseguiu, com o dinheiro amealhado por meio dos golpes, comprar carros de luxo no valor de R$ 20 milhões. A frota particular de P. H. B. inclui duas Ferraris, três Lamborghinis, uma Maserati, uma McLaren, uma BMW, um Audi e um Kia, todos comprados ao longo de apenas 15 meses.

Além da apreensão dos veículos e da prisão do suspeito, também foram encontrada mala com maços de dinheiro em um dos endereços que foram alvos de mandados de busca e apreensão. Foram cumpridas 11 ordens judiciais, sendo três de prisão e oito de busca e apreensão.

Segundo os investigadores, a quadrilha investigada nessa ofensiva, batizada de ' Operação Ostentação ', é considerada uma das maiores organizações criminosas que praticam golpes pela internet. O número exato de vítimas ainda é desconhecido.

O nome dado à operação tem relação direta com a vida levada por P. H. B., que é apontado como um dos maiores locadores de jatos e helicópteros de São Paulo. Em nota, o MP-SP citou que, entre as "extravagâncias cometidas" pelo criminoso, "destacam-se viagens para a Europa em jatos particulares, diárias em hotéis com valores que superam R$ 30 mil, compra de roupas e acessórios de alto valor, contratação do uso exclusivo de restaurantes famosos e o aluguel de iates".

Leia também: "Se depender de mim, mofa na cadeia", diz Bolsonaro sobre autor de ataque

Investigados em operação da Polícia Civil abriram cinco empresas

Operação da Polícia Civil com o MP-SP apreendeu mala com maços de dinheiro
Divulgação/Deic
Operação da Polícia Civil com o MP-SP apreendeu mala com maços de dinheiro

De acordo com as investigações, a quadrilha abriu cinco empresas para movimentar o dinheiro obtido por meio dos golpes na internet . Uma delas ocupava um andar inteiro em prédio no Itaim Bibi, um dos bairros mais caros da capital paulista. Somente o aluguel desse espaço custava R$ 200 mil por mês.

As investigações foram conduzidas pelo CyberGaeco, grupo especial de investigação sobre crimes virtuais, e a 4ª Delegacia de Fraudes Patrimoniais por Meios Eletrônicos, órgão do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) especializado em reprimir crimes praticadas pela internet, com o auxílio de promotores de Justiça Criminais da Capital, da Grande São Paulo e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Leia também: Haddad diz que está disposto a ir 'até enfermaria' para debater com Bolsonaro

A operação da Polícia Civil se baseia em modernas técnicas de “Task Force”, em que há efetiva cooperação entre instituições distintas, inclusive de diversos Estados da Federação. A Polícia Civil e o Ministério o Público de Tocantins, para potencializar a ação, compartilharam informações e conteúdo probatório que apontavam a existência de uma importante organização criminosa especializada em fraudes virtuais, especialmente bancárias, atuando com sede em São Paulo, notadamente na capital.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.