undefined
shutterstock
Este presídio de João Pessoa oficialmente tem capacidade para 660 presos, mas atualmente abrigava 680 detentos

Mais de 100 presos fugiram, na madrugada desta segunda-feira (10), da Penitenciária de Segurança Máxima Romeu Gonçalves Abrantes, o chamado PB 1, em João Pessoa, na Paraíba. De acordo com a Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), foram contabilizadas as fugas de pelo menos 105 detentos. 

Leia também: Agressor de Bolsonaro chega a Campo Grande e deve ficar em isolamento

Segundo as informações reveladas pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), até as 8h de hoje, apenas 33 dos presos fugitivos haviam sido recapturados e recolocados em suas celas. Este presídio de João Pessoa oficialmente tem capacidade para 660 presos, mas atualmente abrigava 680 detentos.

Moradores da região ouviram disparos durante a madrugada. Além disso, segundo a TV Globo, uma explosão aconteceu pouco depois da meia-noite. De acordo com a Polícia Militar , cerca de 20 homens atiraram contra o portão principal, que caiu logo após essa explosão. Por fim, houve uma troca de tiros entre bandidos e agentes penitenciários. 

Leia também: Quatro presos são encontrados mortos na penitenciária de Alcaçuz (RN)

Segundo a Polícia Civil, as primeiras informações revelam que o objetivo do ataque ao presídio era resgatar quatro homens que foram presos no mês de agosto em Lucena, na região metropolitana da capital paraibana. Esses homens são acusados de integrar uma quadrilha que atua em todo o País, na explosão de caixas eletrônicos e carros-fortes.

Porém, não se sabe ainda se esses homens estão entre os que deixaram o presídio e não foram recapturados ainda pela polícia. Estima-se que boa parte dos detentos fugitivos não sejam recolocados na Penitenciária de Segurança Máxima Romeu Gonçalves Abrantes até o fim do dia. 

Leia também: Penitenciária de Monte Cristo pode voltar a ser palco de “tragédia nacional”

Além disso, as autoridades paraibanas não conseguiram identificar as pessoas envolvidas no ataque à penitenciária. Em outra ação, que acontecia no mesmo momento da libertação dos presos, um grupo fechou a rodovia estadual PB-008. Nesse episódio, um militar, que trabalha como tenente na Polícia Militar, foi baleado. Ele foi levado ao Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa e está em estado gravíssimo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários