Tamanho do texto

Por ser o único cargo com mandato de oito anos, dois terços das vagas são colocadas em disputa a cada quatro anos; votos não podem ser repetidos

Diferentemente de 2014, eleições terão dois votos para Senado neste ano
Roque de Sá/Agência Senado
Diferentemente de 2014, eleições terão dois votos para Senado neste ano

Nestas eleições, além de escolher um candidato para presidente, um deputado federal, um governador, um deputado estadual ou distrital, os eleitores terão que votar em dois senadores.

Leia também: Não é só o Lula: Procuradoria vê irregularidades em mais de 1 mil candidaturas

Diferentemente das eleições de 2014, quando cada eleitor pôde votar em apenas um nome para o Senado, este ano duas das três vagas que cada estado e do Distrito Federal têm direito, o cidadão poderá votar em dois nomes para senador.

Por ser o único cargo eletivo com mandato de oito anos estabelecido na Constituição Federal, alternadamente, um terço, ou seja, 27 vagas para senadores e, dois terços, 54 vagas, são colocadas em disputa a cada quatro anos.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, os dois votos têm pesos iguais. Não existe prioridade para o senador em razão do eleitor votar primeiro em um e depois em outro candidato.

Outro ponto importante, segundo a Justiça Eleitoral, é  que não é possível votar duas vezes no mesmo candidato. Em caso de repetição, o segundo voto é automaticamente anulado, sem prejudicar as demais votações.

Como a ordem de votação não importa no resultado final, o candidato que obtiver o maior número de votos na primeira e na segunda opção somadas será eleito, assim como o segundo candidato mais votado.

As eleições para o Senado são majoritárias, assim como para a Presidência da República e para os governos estaduais. Para o Senado, entretanto, não há possibilidade de segundo turno.

Além dos representantes para esses cargos, no dia 7 de outubro, os eleitores brasileiros também escolherão o próximo presidente da República e deputados federais, estaduais ou distritais.

Eleições terão 23 mil candidatos

Ao todo, serão 1.654 vagas disputadas por 23 mil candidatos nestas eleições
Nelson Jr./ ASICS/ TSE
Ao todo, serão 1.654 vagas disputadas por 23 mil candidatos nestas eleições

Segundo o tribunal,  mais de 23 mil pessoas demonstraram interesse em concorrer a um dos cargos eletivos.

Serão disputadas um total de 1.654 vagas nos Poderes Executivo e Legislativo. Os cargos em aberto para os candidatos às eleições são de governador, senador, deputado federal, deputado estadual, deputado distrital, além da Presidência da República.

Espera-se os votos de 147,3 milhões de eleitores brasileiros, segundo dados disponíveis no portal do TSE. E são essas pessoas quem vão escolher, em outubro, aquele, entre os 13 candidatos à Presidência , que vai assumir o cargo mais alto do Poder Executivo brasileiro no ano que vem.

De acordo com a última atualização do Sistema de Divulgação de Candidaturas e de Prestação de Contas, 171 candidatos pediram registro para a vaga de governador. Desses, 17 disputam a reeleição. O partido que lançou o maior número de candidatos a governador foi o Psol, seguido do PSTU e do PT.

Até agora, segundo a divulgação do TSE, foram registrados 6.982 candidatos para disputar as 513 vagas de deputado federal. Para deputado estadual e distrital, são 15.605 concorrentes a 1.059 vagas nas assembleias legislativas e na Câmara Legislativa do Distrito Federal. Mais 295 concorrem a 54 cadeiras no Senado.

No total, foram registrados 23.812 candidatos a todos os cargos. Porém, esse número pode mudar, de acordo com o tanto de pessoas que terão sua candidatura aceita ou barrada pelo tribunal.

Leia também: Crítico do Ibope, autor de "pesquisa oficial do Face" diz que ajudaria Bolsonaro

O total de candidatos às eleições em 2018 é menor que o registrado em 2014, quando foram registrados 26.162 nomes para concorrer ao pleito.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.