Tamanho do texto

Detido no Rio Grande do Sul, o homem teria ameaçado motoristas nos bloqueios em rodovias do Estado e está preso temporariamente

Entrevista coletiva sobre a greve dos caminhoneiros: o ministro Sérgio Etchegoeyon aparece em destaque na foto
Valter Campanato/Agência Brasil 31.05.2018
Entrevista coletiva sobre a greve dos caminhoneiros: o ministro Sérgio Etchegoeyon aparece em destaque na foto

A primeira prisão de empresário suspeito de interferir na greve dos caminhoneiros que parou o País durante mais de uma semana foi confirmada nesta quinta-feira (31) pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Sergio Etchegoyen. Detido no estado do Rio Grande do Sul, o homem teria ameaçado motoristas que estavam presentes ou passaram pelos bloqueios em rodovias do Estado e está preso temporariamente.

Leia também: Após pedidos de intervenção militar em ato, MPF apura se houve violação da Lei

A prisão foi feita durante operação da Polícia Federal que ocorre desde o início da manhã desta quinta no Rio Grande do Sul para reprimir atuação de empresários de transporte na promoção de paralisações no âmbito da greve dos caminhoneiros. O chamado locaute, que é a realização de greves ou paralisações por empresários, é proibido pela legislação.

Polícia Federal atua contra a prática de locaute

A operação da Polícia Federal, que ganhou o nome Unlocked, ocorreu a partir de inquérito que investigou a participação de integrantes de transportadoras em bloqueios nas rodovias BR 116, RS 122 e RS 452.

Leia também: Brasileiros apoiam caminhoneiros, mas não querem pagar acordo, diz Datafolha 

Segundo o superintendente regional da Polícia Federal, Alexandre Isbarrola, foi possível reunir “provas contundentes” da prática de locaute. “É uma grande transportadora que atuava com violência e grave ameaça. Havia comboios de veículos que atuavam por ordem desses empresários e que abordavam os caminhões, obrigavam a parar e que fossem recolhidos, impedindo que eles seguissem”, explicou.

De acordo com o superintendente, o objetivo era gerar o desabastecimento de grãos e de proteína animal na região da Serra, no estado. Os nomes da transportadora e do empresário preso, por outro lado, não foram divulgados.  

Leia também: Greve dos caminhoneiros chega ao 11º dia e manifestações diminuem

Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, em que confirmou a prisão do empresário suspeito de locaute, Etchegoyen reiterou a disposição do governo em manter o diálogo e lamentou a violência que provocou a morte de um motorista em Rondônia. O homem foi atingido por uma pedra após passar por um bloqueio de manifestantes. Para saber mais informações sobre o caso, basta clicar aqui .

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.