Tamanho do texto

Polícia Militar afirma que não participou de operações na favela do Rola, região que seria controlada por grupos milicianos; no sábado, outros quatro morreram em chacina na Baixada Fluminense

Chacinas dobraram no Rio de Janeiro nos dois meses de intervenção federal na segurança pública
Fernando Frazão/Agência Brasil - 20.2.18
Chacinas dobraram no Rio de Janeiro nos dois meses de intervenção federal na segurança pública

Quatro homens foram mortos em um tiroteio na Favela do Rola , em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro , na manhã desta segunda-feira (30).

Leia também: Duas pessoas são atingidas por tiros contra acampamento do PT em Curitiba

Por meio de nota, a assessoria da Polícia Militar diz que o Comando do 27º Batalhão da corporação, em Santa Cruz, foi informado do tiroteio, no qual os policiais não teriam tomado parte.

Quatro pessoas ficaram feridas, teriam sido levadas para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro mas não resistiram aos ferimentos. De acordo com a PM, o batalhão participava de outras ações na região na hora do tiroteio.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da capital.  Os agentes realizam buscam possíveis testemunhas e imagens de câmeras de segurança instaladas na região que possam ajudar a identificar a autoria dos crimes.

A chacina vem somar à onda de crimes que tomam o estado. No sábado (28), cinco pessoas foram mortas a tiros por homens que passaram de carro atirando, na saída de um baile funk em uma comunidade de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Entre as vítimas, três homens e duas mulheres, com idades variando entre 19 e 49 anos. Os mortos estavam conversando e tomando cerveja em uma pracinha ao término do baile. A Polícia Civil investiga a possível participação de milicianos nas mortes.

Leia também: Justiça concede liberdade para 137 dos 159 presos em festa de milícia no Rio

Chacinas dobram no estado

De acordo com dados divulgados nesta quinta-feira (26) pelo Centro de Estudo de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes, o número de chacinas – assassinatos em massa – no estado dobrou no período pós-decreto, se comparado com os dois meses anteriores à intervenção. Foram 12 episódios, com 52 vítimas, nestes dois meses de  intervenção federal , contra 6 chacinas, com 22 mortos, entre dezembro e fevereiro.

E não só: os tiroteios no estado aumentaram em 15%. Foram contabilizadas 1502 trocas de tiros após a intervenção; nos meses que a antecederam, foram 1299 os tiroteios notificados.

Os dados foram compilados no documento “À deriva: sem programa, sem resultado, sem rumo”. Em síntese, os especialistas envolvidos no projeto, uma espécie de observatório não oficial da intervenção, criticaram a medida e não veem com otimismo sua chance de progredir na luta contra as milícias e o crime organizado.

* Com informações da Agência Brasil

Leia também: Comandante do Exército, general Villas Bôas é internado em Brasília

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.