Investigações da Polícia Federal tiveram início a partir de cargas de cocaína apreendidas em Santos e na Rússia
Divulgação/Polícia Federal
Investigações da Polícia Federal tiveram início a partir de cargas de cocaína apreendidas em Santos e na Rússia

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira (4) megaoperação para combater uma organização criminosa especializada no tráfico internacional de cocaína pura. O esquema é investigado há um ano e foi responsável nesse período pelo envio de mais de seis toneladas da droga para a Europa a partir do porto de Santos, em São Paulo.

Leia também: Ato chama atenção para morte de 101 policiais no Rio de Janeiro em 2017

A investida desta segunda-feira, batizada de Operação Brabo, conta com cerca de 820 agentes da Polícia Federal que estão desde o início da manhã nas ruas de São Paulo, de Minas Gerais, de Santa Catarina, do Paraná, do Rio Grande do Sul e do Distrito Federal para cumprir os mandados judiciais expedidos pela Justiça Federal em São Paulo.

São cumpridos um total de 120 mandados de prisão preventiva (sem prazo para soltura), 7 mandados de prisão temporária (com validade de cinco dias, prorrogáveis por mais cinco), além de 190 mandados de busca e apreensão. 

As investigações foram iniciadas em agosto do ano passado a partir da cooperação internacional entre a PF e o DEA (departamento americano de combate ao tráfico de drogas). Os dois órgãos analisaram cinco lotes de cocaína apreendidos no período de agosto de 2015 e julho de 2016. Três dessas cargas foram encontradas no porto de Santos e duas delas foram tomadas num porto na Rússia, após partirem de Santos. As características das apreensões levaram os investigadores a suspeitar que um mesmo grupo tivesse sido responsável por todas as remessas, que totalizaram mais de duas toneladas de cocaína .

Você viu?

Leia também: Criança de oito anos leva tiro na cabeça em tentativa de fuga de arrastão no Rio

Apreensões e carregamentos interceptados

De acordo com a PF, o inquérito policial concluiu que os investigados se articulavam em "empresas criminosas". Diferentes grupos atuantes no Brasil e na Europa se associavam entre si conforme as necessidades que tinham em cada negócio ilícito que pretendiam realizar. A cocaína pura vinha dos países produtores para ser estocada em diversos locais na cidade de São Paulo e ser enviada para a Europa pela via marítima.

Após a instauração do inquérito, foram realizadas 14 apreensões de cocaína nos portos de Santos, de Salvador (BA) e de Itajaí (SC). A Polícia Federal ainda alertou autoridades para que interceptassem carregamentos que já haviam sido remetidos aos portos de Antuérpia (Bélgica), Shibori (Inglaterra), Gioia Tauro (Italia) e Valencia (Espanha). Essas apreensões totalizaram outras quase seis toneladas de cocaína pura, que deixaram de abastecer o tráfico europeu.

O nome da operação, de acordo com a Polícia Federal, remete a um dos destinos da droga, o porto de Antuérpia (Bélgica). Brabo seria um soldado romano que teria libertado os habitantes da região do rio Escalda, onde se localiza Antuérpia, do jugo de um gigante e jogado sua mão no rio. Essa lenda deu origem ao nome da cidade.

Leia também: Coreia do Sul alerta que vizinha do Norte já prepara outro teste de míssil

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários