Declaração é feita um dia depois da Coreia do Norte ter testado sua bomba-atômica mais potente, neste domingo; até a China passou a apoiar sanções

Kim Jong-un é o líder norte-coreano; com seus constantes testes, a tensão entre a Coreia do Sul e do Norte tem aumentado
Wikimedia Commons
Kim Jong-un é o líder norte-coreano; com seus constantes testes, a tensão entre a Coreia do Sul e do Norte tem aumentado

Depois de um novo fim de semana de novas tensões com a Coreia do Norte, o Exército da Coreia do Sul informou, nesta segunda-feira (4), que o país comandado por Kim Jong-un está se preparando para lançar um outro míssil balístico intercontinental.

Leia também: Líderes mundiais criticam novo teste nuclear feito pela Coreia do Norte

O lançamento, segundo a Coreia do Sul , pode ser feito a qualquer momento. "Os serviços de inteligência sul-coreanos detectaram contínuos indícios de que o país vizinho poderia efetuar, a qualquer momento, um novo teste com um ICBM", disse Chang Kyung-soo, funcionário de alto escalão do Ministério de Defesa sul-coreano, em pronunciamento publicado pela agência Yonhap .

Os lançamentos de mísseis balísticos intercontinentais pelo regime norte-coreano tiveram início no início do mês de julho. Esse foi o primeiro míssil deste tipo a ser lançado com sucesso pelo país. No fim de julho, um segundo projétil do mesmo tempo também foi testado e também deu a Kim Jong-un o resultado esperado. 

A declaração sul-coreana acontece um dia depois de a Coreia do Norte ter testado, neste domingo (3), a sua bomba atômica mais potente até o momento. O artefato termonuclear, segundo o governo do país, pode ser instalado em um míssil intercontinental.

Leia também: Coreia do Norte comemora sucesso de teste com bomba de hidrogênio

A bomba atômica norte-coreana representa um importante e perigoso avanço na capacidade militar do país.

Perdendo qualquer aliado

Com tais movimentos, a China – que é a principal aliada de Kim Jong-un – não exclui mais a possibilidade de apoiar, na Organização das Nações Unidas (ONU), um embargo total de petróleo à Coreia do Norte.

Após o teste nuclear deste domingo, o governo chinês pediu ao ditador norte-coreano que "não aumente as tensões" com novos lançamentos de mísseis.

A possibilidade de impor um veto às importações norte-coreanas de petróleo foi estudada pelos Estados Unidos e o Japão, segundo informações divulgadas em Tóquio.

Sobre essa ideia, um porta-voz chinês, da área de Relações Exteriores, disse, em entrevista, que a resposta ao sexto teste atômico norte-coreano "depende das discussões entre os membros do Conselho de Segurança da ONU", mas não a rejeitou totalmente.

A Coreia do Sul, que vinha adotando há anos um posicionamento de passividade, evitando qualquer tensão com a sua vizinha, acaba se aliando aos EUA e ao Japão, em relação à intolerância com os testes balísticos.

Leia também: Estados Unidos prometem resposta militar maciça em caso de ataque norte-coreano

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.