Tamanho do texto

Um soldado do Exército foi preso nesta segunda-feira, suspeito de ter vazado informações para criminosos das comunidades onde a operação é realizada

Agentes da PM e das Forças Armadas atuam em parceria em operação no Rio de Janeiro
Divulgação/PMRJ
Agentes da PM e das Forças Armadas atuam em parceria em operação no Rio de Janeiro


Em uma mega operação integrada, agentes das Forças Armadas e das polícias Civil, Militar, Federal, Rodoviária Federal e Força Nacional – além de membros da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) – visam cumprir 14 mandados de prisão, nesta segunda-feira (21), em seis comunidades do Rio de Janeiro.

Leia também: Mulher baleada durante confronto em comunidade no Rio segue no hospital

As ações visam cumprir mandados judiciais contra pessoas suspeitas de tráfico de drogas e roubos. De acordo com as primeiras informações, equipes das Forças Armadas são responsáveis pelo cerco em algumas regiões e elas estão baseadas em pontos estratégicos para garantia da ordem no entorno das comunidades. 

Segundo a Secretaria de Segurança (Seseg), as operações ocorrem nas comunidades do Jacarezinho, Alemão , Manguinhos, Mandela, Bandeira Dois e Parque Arará, além do Condomínio Morar Carioca, na zona norte.

Várias ruas estão interditadas e os espaços aéreos controlados com restrições dinâmicas para aeronaves civis. Não há interferência nas operações dos aeroportos do Rio.

Leia também: Jacob Barata Filho e ex-presidente da Fetranspor deixam cadeia no Rio

Os traficantes procurados pela mega-operação atuam em diversas comunidades do Rio de Janeiro
Divulgação/Disque-Denúncia
Os traficantes procurados pela mega-operação atuam em diversas comunidades do Rio de Janeiro

Os alvos da operação desta segunda, segundo o site da polícia federal, são os seguintes traficantes: Adriano de Souza Ramos, o “Pierre”, e Paulo Henrique Godinho dos Santos, o “PH”, no Jacarezinho; Eduardo da Silva Barbosa (“Bamba”), Jean Carlos Ramos Tomaz (“Beni”) e Reinaldo Santos de Sena (“Dedé”), na Mangueira ;  Bruno Ricardo Correa da Silva (“Lambão”), Jefferson de Menezes Ferreira (“Jefinho”), Willian Souza Guedes (“Chacota”), André Luiz Cabral dos Santos (“Lacraia") e Luiz Augusto Oliveira de Farias (“Índio do Mandela”), na Mandela; e, no Alemão, Gláucio Cardoso dos Santos (“Glaucinho do Engenho”), Sebastião Teixeira dos Santos (“Juninho 51”), Luciano Martiniano da Silva (“Pezão”) e Alexandre Gonçalves dos Santos, conhecido como “Pardal”.

Soldado é preso por vazar informações

Logo no início da manhã, o soldado recruta do Exército Matheus Ferreira Lopes Aguiar, de 19 anos, do grupo de Artulharia e Campanha do Exército foi preso, nesta segunda. O recruta é suspeito de ter vazado informações para criminosos das comunidades onde a operação está sendo realizada.

De acordo com o Comando Militar do Leste, divisão do Exército responsável pelo Rio de Janeiro , o suspeito estava sendo monitorado e acabou preso. Sua prisão foi decretada no último sábado (19).

Leia também: Em menos de 24 horas, mais três policiais morrem no Rio de Janeiro

No Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na Cidade Nova, representantes de todas as instituições envolvidas na operação estão acompanhando e orientando, em tempo integral, os desdobramentos da megaoperação com as Forças Armadas, desde às 5h da manhã. Ainda não há informações sobre suspeitos presos.

* Com informações da Agência Brasil.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.