Tamanho do texto

Criminosos atearam fogo a veículos na Rodovia Washington Luiz em Duque de Caxias e em três pontos da Avenida Brasil; PM já prendeu 26 em operação

Três ônibus foram incendiados nesta manhã na Avenida Brasil, em Cordovil, Penha e Bonsucesso
Reprodução/Centro de Operações da Prefeitura do Rio
Três ônibus foram incendiados nesta manhã na Avenida Brasil, em Cordovil, Penha e Bonsucesso

Grupos de criminosos atearam fogo  a pelo menos oito ônibus e dois caminhões durante toda a manhã e início de tarde desta terça-feira (2) em diversos pontos da Baixada Fluminense. As ações se deram horas após o início de uma grande operação militar na favela da Cidade Alta, em Cordovil, na zona norte do Rio. A PM já prendeu ao menos 44 pessoas e apreendeu 32 fuzis, 11 granadas e 4 pistolas no local. Seis pessoas ficaram feridas, entre elas três policiais, que não correm risco de vida.

O município do Rio de Janeiro entrou em estágio de atenção devido à série de atos criminosos na Baixada Fluminense . Esse estágio representa o segundo nível em uma escala de três adotada pelo Centro de Operações da Prefeitura do Rio e significa que "um ou mais incidentes impactam, no mínimo, uma região, provocando reflexos importantes na modalidade".

De acordo com informações da Prefeitura do Rio, três ônibus foram queimados na Avenida Brasil, uma das principais vias da cidade, em Cordovil, Penha e Bonsucesso. A avenida está totalmente interditada, nos dois sentidos na altura da passarela 17. Um caminhão também foi queimado em uma via de acesso ao Mercado São Sebastião, na região da Penha.

Também houve queima de veículos na Rua Bulhões Marcial e na Rodovia Washington Luiz, na região de Duque de Caxias, próximo ao acesso à Linha Vermelha. Um caminhão foi queimado na altura do Trevo das Missões.

Leia também: Andou faltando nas eleições? Prazo para regularização do título termina hoje

"Grupo invasor"

Saldo da operação na Cidade Alta está com 26 presos e 17 fuzis apreendidos, de acordo com a Polícia Militar do Rio
Divulgação/PMERJ
Saldo da operação na Cidade Alta está com 26 presos e 17 fuzis apreendidos, de acordo com a Polícia Militar do Rio

Um porta-voz da Polícia Militar do Rio explicou, em entrevista à GloboNews, que os atos de violência registrados nesta manhã estão diretamente ligados à operação policial na favela da Cidade Alta.

Segundo o policial, um "grupo invasor" chegou ao local durante a madrugada desta terça-feira e acabou cercado pelos soldados do Batalhão de Choque, do Batalhão de Policiamento de Vias Expressas (BPVE) e do Grupamento Aeromóvel (GAM), que continuam no local. Esses "invasores" teriam acionado aliados para praticar atos criminosos em outras regiões do Rio para tentar dispersar os policiais.

De acordo com a Polícia Militar, os agentes continuam na Cidade Alta e o saldo da operação já conta com 26 suspeitos presos e ao menos 17 fuzis apreendidos. Também foram deslocados policiais (além de Bombeiros e agentes de trânsito) para as regiões da Baixada Fluminense afetadas pelos incêndios de veículos.

Leia também: MPF faz nova denúncia contra José Dirceu na Lava Jato

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.