Larissa Dutra, presidente afastada do Iphan
Divulgação/ Câmara dos Deputados
Larissa Dutra, presidente afastada do Iphan


A revelação do presidente Jair Bolsonaro (PL) de que  fez trocas no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) após saber que o órgão interditou uma obra do empresário Luciano Hang  já começou a ter implicações jurídicas. Neste sábado (18), a Justiça Federal do Rio de Janeiro determinou o afastamento da atual do presidente do Iphan, Larissa Dutra Peixoto.


"Com efeito, no exercício de suas funções, o atual Exmo. Presidente da República admitiu que, após ter tomado conhecimento de que uma obra realizada por Luciano Hang, empresário e notório apoiador do governo, teria sido paralisada por ordem do Iphan, procedeu à substituição da direção da referida autarquia, de modo a viabilizar a continuidade da obra. As falas supratranscritas sugerem, ao menos em um juízo de cognição sumária, uma relação de causa e efeito entre as exigências que vinham sendo impostas pelo Iphan à continuidade das obras do empresário e a destituição da então dirigente da entidade", argumentou a juíza federal substituta Mariana Cunha, da 28ª Vara Federal do Rio, em um trecho da decisão publicada pela coluna de Juliana Dal Piva, no UOL.


A publicação destaca que a sentença também retoma a reunião ministerial de 22 de abril de 2020, quando o presidente sinalizou a intenção de alterar o comando do Iphan a fim de beneficiar "pessoas e instituições alinhadas à agenda governamental". Larissa Dutra foi nomeada para o cargo no dia 11 de maio, portanto, após a reunião do governo. 

Em meio a esses fatos, o afastamento foi adotado no âmbito de uma ação apresentada no ano passado pelo então deputado federal Marcelo Calero. Larissa chegou a ser afastada uma vez, mas a decisão acabou revogada até que o MPF fez um novo pedido após as declarações de Bolsonaro e a juíza, então, publicou a nova sentença.

Leia Também

Bolsonaro x Iphan

Ao se apresentar no "Fórum Moderniza Brasil - Ambiente de Negócios", na última quarta-feira (15), o presidente Jair Bolsonaro disse que demitiu funcionários do Iphan após o órgão interditar uma obra das lojas Havan no Rio Grande do Sul. A rede pertence ao empresário bolsonarista Luciano Hang.


“Tomei conhecimento que uma obra de uma pessoa conhecida, o Luciano Hang, estava fazendo mais uma loja, e apareceu um pedaço de azulejo nas escavações. Chegou o Iphan e interditou a obra. Liguei para o ministro da pasta e [perguntei]: que trem é esse? Porque não sou inteligente como meus ministros. O que é Iphan, com PH? Explicaram para mim, tomei conhecimento, ripei todo mundo do Iphan. Botei outro cara lá”, contou Bolsonaro.


Em resposta, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o presidente seja investigado . Hang já usou as redes sociais para dizer que nunca pediu "nenhum favor pessoal" a Bolsonaro ou a qualquer outro político .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários