Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão
Reprodução
Marcos Antônio Pereira Gomes, conhecido como Zé Trovão

Um copo de café e um quadro na parede foram detalhes suficientes para que investigadores da Polícia Federal identificassem que o líder bolsonarista Marcos Antônio Pereira Gomes, o Zé Trovão , estava foragido na Cidade do México desde a semana passada, quando o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes ordenou a sua prisão por articular e incentivar atos antidemocráticos no 7 de setembro.

Mesmo foragido, Zé Trovão continuou divulgando diariamente diversos vídeos para sua rede de contatos, nos quais incitava uma paralisação nacional de caminhoneiros a partir do 7 de setembro com o objetivo de pressionar o Senado a dar prosseguimento ao impeachment de ministros do STF.

Foram nesses vídeos que o bolsonarista deu as pistas necessárias para que os investigadores chegassem ao seu encalço.

Você viu?

A Polícia Federal detectou que Zé Trovão deixou o Brasil no dia 27 de agosto, antes da ordem de prisão de Moraes. Segundo fontes que acompanharam o caso, o bolsonarista saiu do país pelo aeroporto de Guarulhos em um voo para o Panamá, onde posteriormente pegou uma conexão para o México. Depois de rastrear esse trajeto, a PF ainda buscava se assegurar que o bolsonarista continuava em território mexicano.

Em um dos vídeos divulgados por ele na semana passada, Zé Trovão aparecia segurando um copo de café da rede mexicana Cielito Querido Café. A paisagem ao fundo também indicava se tratar de uma loja da rede.

O ministro Moraes foi sendo informado de todos os passos dos investigadores na busca do bolsonarista.

Outro indício que apontou para a PF que ele continuava naquele país foi o fato de terem detectado que o blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio, investigado anteriormente por atos antidemocráticos, também estava na Cidade do México. Eustáquio chegou a participar de lives com Zé Trovão depois da ordem de prisão emitida por Moraes. Por isso, os investigadores desconfiaram que estivessem juntos.

Ao final, foi uma gravação posterior, divulgada ontem pelo bolsonarista, que selou o seu destino. O vídeo mostrava o quarto do hotel de Zé Trovão, com dois quadros ao fundo. Com isso, os investigadores conseguiram rastrear imagens semelhantes do estabelecimento hoteleiro, identificando qual era o estabelecimento onde ele estava.

Por isso, hoje cedo, autoridades brasileiras fizeram contato com o hotel para confirmar se Zé Trovão realmente estava no local e obtiveram a sinalização positiva. A partir de então, a prisão do bolsonarista se tornou apenas uma questão de tempo. Depois disso, a PF pediu a inclusão do nome do bolsonarista na lista de procurados da Interpol e obteve a ordem judicial de difusão vermelha, como mostrou a colunista Bela Megale.

Deputado promete recorrer 

Líder do PSL na Câmara dos Deputados, o Major Vítor Hugo mostrou apoio ao youtuber. No Twitter, ele disse que vai protocolar um habeas corpus "o mais rápido possível" para Zé Trovão.

"A liberdade de expressão é um dos mais valiosos direitos fundamentais previstos em nossa CF e precisa ser defendido por cada um de nós a todo momento e a todo custo. Vamos vencer juntos!", escreveu.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários