Cesare Battisti
Reprodução/The Huffington Post
Cesare Battisti

O ex-terrorista italiano Cesare Battisti foi transferido neste sábado (26) do presídio de Rossano, na Calábria, para o de Ferrara, na Emilia-Romagna, informou o Sindicato Autônomo da Polícia Penitenciária (Sappe).

A transferência era um dos objetivos da greve de fome iniciada por Battisti em 2 de junho, já que, segundo o criminoso, o local onde estava tinha apenas jihadistas e ele não tinha socialização nenhuma. Ao chegar na nova prisão, o italiano informou que estava suspendendo seu protesto.

"Cesare Battisti provavelmente, graças ao apoio político recebido, foi transferido da prisão de Rossano, instituto que não lhe agradava, para Ferrara. Lembremos que entre os homicídios cometidos por Battisti também está aquele do marechal Santoro, então comandante do presídio de Údine. Esperamos que agora ele desconte a pena prevista, ou seja, a perpétua, após tantos anos de fuga da Justiça e que, para os familiares, é a pena mais justa", disse o secretário-geral-adjunto do Sappe, Giovanni Battista Durante.

O ex-terrorista do grupo Proletários Armados pelo Comunismo foi condenado à prisão perpétua pelo assassinato de quatro pessoas na década de 1970. Depois de sua prisão na Bolívia, em janeiro de 2019, ele foi extraditado para a Itália e levado para o presídio de Massama, na Sardenha.

No entanto, também nesse centro de detenção ele fez protestos por estar em um regime de isolamento diurno e foi transferido, em setembro do ano passado, para a instituição em Rossano.

Battisti ainda alega que não tem seu direito de receber familiares ou desenvolver atividades no presídio. Segundo os advogados, esse sistema mais duro deveria ter durado seis meses, mas é mantido até hoje.

Na sexta-feira (25), a deputada do Partido Democrático Enza Bruno Bossio alertou o Estado para o regime ao qual Battisti estava sendo submetido e disse que trabalharia para que as solicitações fossem atendidas - já que o ex-terrorista reconheceu os crimes e não está contestando a pena de prisão perpétua. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários