França aprova uso de medicamento veterinário para suprir falta de anestésicos
Reprodução
França aprova uso de medicamento veterinário para suprir falta de anestésicos

A falta de remédios provocada pela epidemia de coronavírus, fez o governo francês autorizar o uso de um anestésico de cavalos em doentes graves, internados em UTIs. 

A Agência Nacional de Segurança de Medicamentos (ANSM) publicou a medida na última sexta-feira (3) e afirmou que a demanda por anestésicos aumentou muito em função da pandemia de Covid-19 e os estoques estavam muito baixos no país.

Governo usará dados da telecomunicação para mapear aglomerações

A ANSM salientou que o propofol de uso veterinário será usado em "complemento" ao medicamento fabricado para utilização humana.  "Esta é apenas uma peça suplementar que irá contribuir para atender o número importante de pacientes em reanimação", explicou a ANSM.

Algumas substâncias anestésicas como o curare, o propofol ou o midazolam tiveram uma alta na demanda de 2.000% na França, argumenta a Agência. O aumento foi percebido em outros países também, em um espaço de tempo curto.  

Segurança


Segundo médicos ouvidos pela imprensa francesa, os anestésicos veterinários não aumentam o risco para a saúde dos doentes. “Eles têm o mesmo efeito. Estamos vivendo um período excepcional e todos os meios são bons para salvar vidas”, disse à radio France Info um especialista.

Você viu?

Número de mortes por Covid-19 na Espanha é o menor dos últimos 10 dias

O medicamento propofol é usado para sedar os pacientes graves de Covid-19 de maneira que eles suportem ficar entubados e ligados a aparelhos de respiração artificial. 

Epidemia na França

Com isolamento total (lockdown) desde o dia 17 de março, a França contabilizou até o último sábado (4) 7.560 mortes no país. Cerca de 6.800 pessoas seguem internadas em estado grave nas UTIs.

Culturas infectadas: traumas e hábitos arraigados ditam reação global à Covid-19

Neste domingo (5), autoridades sanitárias informaram que trabalham na transferência de doentes dos hospitais lotados da região de Paris para outras cidades onde ainda há leitos.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários