Tamanho do texto

57 vítimas da aeronave derrubada por míssil iraniano eram canadenses

Agência Brasil

Justin Trudeau arrow-options
Divulgação/Facebook/Justin Trudeau
Primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau pede participação nas investigações sobre queda de avião

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau , disse ter conversado, por telefone, com o presidente do Irã, Hasan Rohani, na manhã de hoje (11). Trudeau disse que classificou a admissão, pelo governo iraniano, de que um míssil lançado pelo país atingiu o Boeing 737 da companhia Ukraine Airlines , como um primeiro passo importante “para dar respostas às famílias” das 176 vítimas do abate do avião, das quais 57 eram canadenses.

Em Ottawa, Trudeau contou a jornalistas que também disse ao presidente iraniano que “é absolutamente necessário que o Canadá participe da investigação” sobre o incidente, ocorrido na última quarta-feira (8), pouco após a aeronave que fazia o voo PS 752 da companhia aérea ucraniana decolar do Aeroporto Imam Khomeini, em Teerã.

Leia também: No Irã, manifestantes pedem saída de líderes que mentiram sobre queda de avião

“O Canadá e o mundo ainda tem muitas perguntas”, disse o primeiro-ministro canadense aos jornalistas, referindo-se aos motivos para que o Irã derrubasse um avião civil ucraniano que transportava civis de diversas nacionalidades.

Esta manhã, ao confirmar que mísseis lançados de um centro militar iraniano atingiram a aeronave, o presidente Hassan Rouhani afirmou que o Irã “lamenta profundamente” a ocorrência do que classificou como “uma grande tragédia e um erro imperdoável”.

Segundo Rouhani, o avião da Ukraine Airlines teria sido confundido com um míssil, em um “lamentável erro humano”, cometido em meio às tensões com os Estados Unidos. “Nestas condições, devido a um erro humano e de uma forma não intencional, o avião foi atingido”, afirmou o mandatário iraniano.

Leia também: Ucrânia diz que Irã pediu desculpas e promete punição por avião abatido

Antes mesmo da tragédia com o Boeing 737, várias companhias aéreas, como a Emirates, a Lufthansa, a Air France e a Quantas, tinham decidido redirecionar parte de seus voos a fim de evitar sobrevoos sobre o espaço aéreo do Irã e do Iraque em decorrência da crescente tensão no Oriente Médio – resultado do ataque dos Estados Unidos que resultou na morte do general iraniano Qassem Soleimani, líder da Força AI Quds, unidade especial da Guarda Revolucionária iraniana, e segundo homem mais poderoso do país.